1

1

Google+ Followers

domingo, 23 de abril de 2017

24/04 -- Dia Mundial do Milho

24/04 -- Dia Mundial do Milho 

24 de Abril

Dia Mundial do Milho
Milho é um membro da grama família Poaceae. É um cereal de grãos que foi cultivado pela primeira vez pelo povo da antiga América Central. Agora é o terceiro cereal mais importante no mundo. É uma haste frondosa cujos grãos contêm sementes. É um angiospérmico, o que significa que as suas sementes são encerrados dentro de uma fruta. Ele é usado como um alimento básico por muitas pessoas no México, América Central e América do Sul e partes da África. Na Europa e no resto da América do Norte, o milho é cultivado principalmente para uso como alimento para animais.

Alimentação humana

Milho Assado
O milho assado sobre uma chama aberta na Índia.
Milho e farinha de milho constituem um alimento básico em muitas regiões do mundo.
O milho é fundamental para a comida mexicana. Praticamente todos os pratos da cozinha mexicana usam milho. Em forma de grãos ou farinha de milho, o milho é o principal ingrediente de tortillas , tamales , pozole , atole e todos os pratos com base nelas, como tacos , quesadillas , chilaquiles , enchiladas , tostadas e muitos mais. No México, mesmo um fungo do milho, conhecido como huitlacoche é considerado uma iguaria.
Introduzido na África pelo Português no século 16, o milho tornou-se mais importante cultura alimentar da África. Farinha de milho é feita em um grosso mingau em muitas culturas: a partir da polenta da Itália, o angu do Brasil, a mamaliga de Romênia. Farinha de milho também é usada como um substituto para o trigo, a farinha, para fazer broa de milho e outros produtos de panificação.
Panificação Usando Milho
Pipoca é composto por grãos de certas variedades que explodem quando aquecido, formando peças fofas que são consumidos como um lanche.
Um pão sem fermento chamado makki di roti é um pão popular na região do Punjab da Índia e do Paquistão.
Chicha e chicha morada (chicha roxa) são bebidas normalmente feitas a partir de determinados tipos de milho. O primeiro deles é fermentado e bebidas alcoólicas, o segundo é uma bebida suave no Peru. Flocos de milho são um problema comum de cereais de pequeno-almoço na América do Norte e no Reino Unido, e encontrado em muitos outros países em todo o mundo.
Milho Seco, Canjica
Milho seco, também conhecido como canjica, é usado na culinária mexicana
O milho também podem ser preparado como canjica , em que os grãos são embebidos com soda cáustica em um processo chamado nixtamalização, ou grãos , que são grosseiramente moído. Estes são comumente consumidos no Sudeste dos Estados Unidos , os alimentos transmitida de nativos americanos , que chamavam o prato Sagamite.
A sobremesa brasileira canjica é feita por grãos de milho no leite adoçado.
Espiga de milho é um prato comum nos Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, Chipre, algumas partes da América do Sul, e nos Balcãs, mas praticamente desconhecido em alguns países europeus.
Milho Cozido no Vapor
Um vendedor de beira de estrada vendendo milho cozido no vapor na Índia

Milho doce, amarelo (apenas sementes)

Valor nutricional

Energia 360 kJ (86 kcal)
Carboidratos 18,7 g
Amido 5,7 g
Açúcares 6,26 g
A fibra dietética 2 g
Gordura 1,35 g
Proteína 3,27 g
Triptofano 0,023 g
Treonina 0,129 g
Isoleucina 0,129 g
Leucina 0,348 g
Lisina 0,137 g
Metionina 0,067 g
Cistina 0,026 g
Fenilalanina 0,150 g
Tirosina 0,123 g
Valina 0,185 g
Arginina 0,131 g
Histidine 0,089 g
Alanina 0,295 g
Ácido aspártico 0,244 g
Ácido glutâmico 0,636 g
Glycine 0,127 g
Proline 0,292 g
Serina 0,153 g
Água 75,96 g
Vitamina A , O equiv. 9 mg (1%)
Luteína e zeaxantina 644 mg
Tiamina (vit. B 1 ) 0,155 mg (13%)
Riboflavina (vit. B 2 ) 0,055 mg (5%)
Niacina (vit. B 3 ) 1,77 mg (12%)
Ácido pantotênico (B 5 ) 0,717 mg (14%)
Vitamina B 6 0,093 mg (7%)
Ácido fólico (vit. B 9 ) 42 ng (11%)
Vitamina C 6,8 mg (8%)
Ferro 0,52 mg (4%)
Magnésio 37 mg (10%)
Manganês 0,163 mg (8%)
Fósforo 89 mg (13%)
Potássio 270 mg (6%)
Zinco 0,46 mg (5%)

Link para entrada de dados USDA
uma orelha de tamanho médio (6-3/4 “a 7-1/2” de comprimento) 
de milho tem 90 gramas de sementes de 
porcentagens são relativas ao recomendações americanas para adultos. Fonte: USDA Nutrient Database

Farinha de Milho

milho é uma importante fonte de amido. Amido de milho (farinha de milho) é um ingrediente importante em muitos produtos alimentares industrializados. O milho é também uma importante fonte de óleo ( óleo de milho ) e de glúten. Amido de milho pode ser hidrolisado enzimaticamente e tratada para produzir xaropes, especialmente o xarope de milho de alto teor de frutose , um edulcorante, e também fermentado e destilado para produzir o álcool de cereais. Álcool de cereais de milho é tradicionalmente a fonte de uísque Bourbon. O milho é por vezes usado como a fonte de amido para a cerveja. Nos Estados Unidos, a utilização de milho destinados ao consumo humano constitui cerca 1/40th da quantidade de crescido no país. Nos Estados Unidos e no Canadá, o milho é cultivado principalmente para alimentar gado , como forragem, silagem (feito pela fermentação de picadas espigas de milho verde), ou grãos. Farinha de milho também é um ingrediente importante de alguns produtos alimentares de origem animal comerciais, como comida de cachorro.
O milho também é usado como uma isca de peixe, chamados de “bolas de massa”. É particularmente popular na Europa para pesca grossa.

A medicina alternativa

Estigmas de flores de milho femininos, popularmente chamados de seda de milho, são vendidos como suplementos de ervas.
Fonte: en.wikipedia.org

24/ 04 --- Dia do Chimarrão.

24/ 04 --- Dia do Chimarrão

24 de Abril

Dia do Chimarrão

O Chimarrão é um legado do índio Guarani

Sempre presente no dia-a-dia, o chimarrão constituiu-se na bebida típica do Rio Grande do Sul, ou seja, na tradição representativa do nosso pago. Também conhecido como mate amargo, como bebida preferida pelo gaúcho, constitui-se no símbolo da hospitalidade e da amizade do gaúcho. É o mate cevado sem açúcar, preparado em uma cuia e sorvido através de uma bomba. É a bebida proveniente da infusão da erva-mate, planta nativa das matas sul-americanas, inclusive no Rio Grande do Sul.
O homem branco, ao chegar no pago gaúcho, encontrou o índio guarani tomando o CAA, em porongo, sorvendo o CAÁ-Y, através do TACUAPI.
Podemos dizer, que o chimarrão é a inspiração do aconchego, é o espírito democrático, é o costume que, de mão – em – mão, mantém acesa a chama da tradição e do afeto, que habita os ranchos, os galpões dos mais longínquos rincões do pago do sul, chegando a ser o maior veículo de comunicação.
O mate é a voz quíchua, que designa a cuia, isto é, o recipiente para a infusão do mate. Atualmente, por extensão passou a designar o conjunto da cuia, erva-mate e bomba, isto é, o mate pronto.
O homem do campo passou o hábito para a cidade, até consagrá-lo regional. O Chimarrão é um hábito, uma tradição, uma espécie de resistência cultural espontânea.

Os avios ou os apetrechos do mate constituem o conjunto de utensílios usados para fazer o mate. Os avios do mate são fundamentalmente a cuia e a bomba.

A CUIA NOVA

Quando a cuia é nova, é necessário curti-la antes de começar a matear. Para tal, é necessário enchê-la de erva-mate pura ou ainda misturada com cinza vegetal e água quente, que deve permanecer de dois a três dias, mantendo a umidade, para que fique bem curtida, impregnando o gosto da erva em suas paredes. O uso da cinza é para dar maior resistência ao porongo. Após o tempo determinado, retira-se a erva da cuia e, com uma colher, raspa-se bem o porongo, para retirar alguns baraços que tenham ficado.

VOCABULÁRIO

Caá = erva-mate
Caá-y = bebida do mate = chimarrão
Tacuapi= bomba primitiva, feita de taquara pelos índios guaranis.

O MATE E A SUA INTIMIDADE

O ato de preparar um mate diz-se: “cevar um mate” ou “fechar um mate”, ou “fazer um mate” ou ainda ”enfrenar um mate”. A palavra amargo é muito usada em lugar de mate ou chimarrão.
O convite para tomar um mate é feito das seguintes formas:
Vamos matear?
Vamos gervear?
Vamos chimarrear?
Vamos verdear?
Vamos amarguear?
Vamos apertar um mate?
Vamos tomar um chimarrão?
Vamos tomar mate ou um mate
Que tal um mate?

EM RELAÇÃO A COMPANHIA, O MATE PODE SER TOMADO DE TRÊS MANEIRAS:

MATE SOLITO

Quando não precisa de estímulo maior para matear, a não ser a sua própria vontade. É o verdadeiro mateador.

MATE DE PARCERIA

Quando se espera por um ou mais companheiros para matear a fim de motivar o mate, pois não gosta de matear sozinho.

RODA DE MATE

É na roda de mate, que esta tradição assume seu apogeu, agrupando pessoas sem distinção de raça, credo, cor ou posse material. Irmanados num clima de respeito, o mate integra gerações numa trança de usos e costumes, que floresce na intimidade gaúcha.

CHIMARRÃO É RICO EM POESIA

Antigamente, Quando os namoros eram de longe, através de troca de olhares, os apaixonados utilizavam o mate como meio de comunicação e, de acordo com o que era posto na cuia, a mensagem era recebida e interpretada. Ao longo de sua história, o chimarrão é utilizado como veículo sutil de comunicação com objetivos sentimentais.
Atualmente, os costumes mudaram, mas o hábito do chimarrão permanece cada vez mais forte, caracterizando o povo gaúcho.

SIGNIFICADO DOS MATES

Mate com açúcar: quero a tua amizade
Mate com açúcar queimado: és simpático
Mate com canela: só penso em ti
Mate com casca de laranja: vem buscar-me
Mate com mel: quero casar contigo
Mate frio: desprezo-te
Mate lavado: vai tomar mate em outra casa
Mate enchido pelo bico da bomba: vás embora
Mate muito amargo (redomão): chegaste tarde, já tenho outro amor
Mate com sal: não apareças mais aqui
Mate muito longo: a erva está acabando
Mate curto: pode prosear a vontade
Mate servido com a mão esquerda: você não é bem vindo
Mate doce: simpatia

A LENDA DA ERVA MATE

Lenda da Erva Mate
Contam que um guerreiro guarani, que pela velhice não podia mais sair para as guerras, nem para a caça e pesca, porque suas pernas trôpegas não mais o levavam, vivia triste em sua cabana. Era cuidado por sua filha, uma bela índia chamada Yari, que o tratava com imenso carinho, conservando – se solteira, para melhor se dedicar ao pai.
Um dia, o velho guerreiro e sua filha receberam a visita de um viajante, que foi muito bem tratado por eles. À noite, a bela jovem cantou um canto suave e triste para que o visitante adormecesse e tivesse um bom descanso e o melhor dos sonos.
Ao amanhecer, antes de recomeçar a caminhada, o viajante confessou ser enviado de Tupã, e para retribuir o bom trato recebido, perguntou aos seus hospedeiros o que eles desejavam, e que qualquer pedido seria atendido, fosse qual fosse.
O velho guerreiro, lembrando que a filha, por amor a ele, para melhor cuidá-lo, não se casava apesar de muito bonita e disputada pelos jovens guerreiros da tribo, pediu algo que lhe devolvesse as forças, para que Yari, livre de seu encargo afetivo, pudesse casar.
O mensageiro de Tupã entregou ao velho um galho de árvores de Caá e ensinou a preparar a infusão, que lhe devolveria as forças e o vigor, e transformou Yari em deusa dos ervais, protetora da raça guarani.
A jovem passou a chamar-se Caá-Yari, a deusa da erva-mate, e a erva passou a ser usada por todos os componentes da tribo, que se tornaram mais fortes, valentes e alegres.

RECIPIENTES PARA ÁGUA

CALDEIRA

Recipiente grande, muito utilizada para aquecer grande quantidade de água, para diversas finalidades. é mais bojuda que o jarro, não possui tampa nem bico tubular. Os fogões à lenha possuem um recipiente chamado caldeira, que tem a mesma função da caldeira, semelhante ao jarro .

CHALEIRA GRANDE

De uso semelhante ao da caldeira. É muito encontrada nas cozinhas da campanha, nos fogões de barro e nos galpões e nos braseiros do fogo de chão. Por ser muito grande, seu manejo é incômodo.

CHALEIRA MÉDIA

Também conhecida por pava. Devido ao seu tamanho, é a mais usada, quer para aquecer a água, quanto para servir o mate.
Dia do Chimarrão

CHALEIRA PRETA DE FERRO

Varia muito de tamanho e forma mas é o tipo mais comum. Com o uso, chega a criar uma crosta de picumã, que não deve ser removida, pois pode furar com facilidade.

CAMBONA PRIMITIVA

Estas cambonas vinham da Inglaterra, com chá-da-índia. Eram feitas de cobre e possuíam a parte de baixo arredondada e sua alça era deita de arame ou de lata. Serviam para preparar alimentos, aquecer água. Tem um refrão popular, que muito bem traduz o quanto à cambona é desajeitada, virando com muita facilidade, que é: “Cambona em cima de tição, tomarás mate ou não!”

CAMBONA

Pode ser feita de qualquer lata, pois sua finalidade é única e exclusivamente a de aquecer água, sem precisar de muito fogo. Sua confecção é simples, basta Um pedaço de arame passado várias vezes junto ao local da lata, deixando Um rabicho para pegar e está pronta a cambona. Alguns preferem improvisar um rabicho de arame na parte de cima ou uma alça de arame, prendendo em cima e em baixo da lata e ainda enfiam no rabicho ou na alça, um pedaço de osso de canela do gado, para evitar o calor ao pegar. A picumã, que adere à cambona, não deve ser retirado, pois enfraquece o recipiente.
Cambona Primitiva
Cambona Primitiva

CHICOLATEIRA

A chicolateira é um recipiente usado nos fogões campeiros, para aquecer a água. Ela difere da cambona, uma vez que possui alça, tampa e um pequeno bico. É um utensílio que requer algum acabamento. È muito usada, não só nos galpões e cozinhas campeiras, como também por carreteiros e tropeiros. O termo chicolateira é uma corruptela de chocolateira.
Chicolateira

PARTES DO MATE

– Topete, respiro, morrete, cerro, barranco, crista (fica à esquerda da bomba).
– Bomba, bombilha. Se ficar a esquerda do topete, é mate de canhoto.
– Beiço, boca.
– Pescoço (na cuia de beiço).
– Cuia, mate, porongo.
– Umbigo, cabo, bico.

Partes do Mate

TIPOS DE BOMBA PARA CHÁ MATE

Tipos de Bombas para Chá Mate
– tacuapi primitivo
– tacuapi missioneiro
– bomba de mola

PARTES DA BOMBA PARA CHÁ MATE

Partes da Bomba para Chá Mate

ALGUNS DIZERES

O primeiro mate é dos pintos . – como o gaúcho atira fora os primeiros sorvos de mate, serão os pintos os aproveitadores das partículas de erva cuspidas.
O mate pra o estribo ou O mate o mate do estribo . O último mate com que se brinda um visitante, quando ele já está “com pé no estribo”, ou seja, pronto para partir.
Como o mate do João Cardoso . Emprega-se para designar um fato que nunca se realiza, uma promessa que nunca se cumpre.
Como o mate das senhoras Morais . Idêntico significado da frase anterior. As senhoras Morais, residente na povoação de Basílio, no município de Herval, quando recebiam visitas passavam a tarde inteira perguntando se os amigos queriam mate doce ou chimarrão, com erva paraguaia ou brasileira, em cuia de porcelana ou porongo… para, no final, nada oferecerem.
Toma mais um mate. Não te vás, é cedo ainda.
Aquentar a água pra outro tomar mate. Preparar um negócio para outro pessoa colher os lucros. Emprega-se de modo especial para designar um namorado que “prepara uma moça para depois outro casar com ela…
A “erva”. O dinheiro.
Ele se encheu de “erva”. Ele ganhou muito dinheiro. Talvez um vestígio do tempo em que a erva supria a ausência de moedas sonantes.
Nem pra erva. No último grau de pobreza. Sem dinheiro se quer para comprar o artigo de primeiríssima necessidade quotidiana, que é a erva-mate.

OS DEZ MANDAMENTOS DO CHIMARRÃO

1º – Não peças açúcar no mate.
 – Não digas que o chimarrão é anti-higiênico.
3º – Não digas que o mate está quente demais.
 – Não deixes um mate pela metade.
 – Não te envergonhes do ronco do mate.
6º – Não mexas na bomba.
 – Não alteres a ordem em que o mate é sorvido.
8º – Não durmas com a cuia na mão.
9º – Não condenes o dono da casa por tomar o primeiro mate.
10º – Não digas que o chimarrão dá câncer na garganta.

Chimarrão

Bibliografia

FAGUNDES , Glênio – Cevando o Mate
LESSA , Luiz Carlos Barbosa – História do Chimarrão
TUBINO, Wilson – Os Mistérios Ocultos do Chimarrão
TEIXEIRA , Luiz Rotilli – A Importância Social do Chimarrão
BERKAI, Dorival e BRAGA, Clóvis Airton – 500 Anos de História de Erva-mate
RIBEIRO , Paula Simon – Folclore: Aplicação Pedagógica
FAGUNDES, Antonio Augusto – Curso de Tradicionalismo Gaúcho

Fonte: www.mtg.org.br
Dia do Chimarrão
Conta a lenda, que os soldados espanhóis ao chegarem à foz do Rio Paraguay, em 1536, ficaram muito impressionados com a fertilidade da terra às margens do rio, fundando assim a primeira cidade da América Latina: Assunción de Paraguay. Devido às saudades de seus familiares, os desbravadores eram famosos pelos seus porres. A fim de curar suas bebedeiras, os soldados espanhóis começaram a tomar a erva-mate por notar que ela aliviava a ressaca. Foi assim, que a erva-mate chegou ao Rio Grande do Sul, transportada na garupa dos guerreiros daquela época.
Desde então, o chimarrão se tornou um dos principais símbolos do Rio Grande do Sul, a ponto de merecer um dia dedicado a ele, comemorado em 24 de abril.
O chimarrão é servido em cuia e feito com erva-mate, sobre a qual se derrama água quente. Diz-se que gaúcho que é macho gosta do mate bem amargo, mas há quem misture açúcar. Também é muito comum colocar saquinhos de chá na erva, como cidreira ou hortelã, para adicionar um sabor especial. A bebida possui propriedades digestivas e estimulantes, mas não se recomenda tomá-lo antes do café da manhã, para evitar a gastrite.
O chimarrão pode ser tomado sozinho, acompanhado ou em grupo. Numa roda de chimarrão, passar a cuia para outra pessoa, antes de beber todo o líquido, é considerado infração gravíssima.
Dicas de como preparar um bom chimarrão:
Preencha a cuia com dois terços de erva-mate num lado. Pode-se utilizar um aparador, prato ou, até mesmo, as próprias mãos para tapar a cuia;
Na parte vaga, você deve colocar a água morna (apenas para começar o chimarrão). Colocando água morna, não se queima a erva e o chimarrão não fica amargo;
Tape a boca da bomba com o dedo polegar e a coloque-a dentro da cuia descendo-a rente à parede, para que não fique ao meio da erva e não tranque o chimarrão. Se a água descer após você retirar o dedo da bomba, o chimarrão estará pronto;
Agora, só falta saborear o delicioso mate. Se preferir, use um filtro para a bomba. O filtro impede o entupimento. Dessa forma, você se concentra, unicamente, em apreciar o sabor do chimarrão.
Fonte: lproweb.procempa.com.br
Dia do Chimarrão
Dia do Chimarrão
chimarrão foi usado desde o período pré-colombiano entre povos Guarani.
Foi rapidamente adotado pelos colonizadores espanhóis, e tornou-se uma parte da herança cultural de Argentina , Paraguai , Uruguai e sul do Brasil , onde é consumida principalmente, e também em áreas da Bolívia e sul do Chile.
Tal como acontece com o chá , o café ou o chocolate , tem um efeito estimulante devido à mateína (sinônimo de cafeína ) que ele contém.
Chimarrão

Valor nutricional por 100 g de infusão

CAFEÍNA = 1,02 g
Energia 0 kcal 0 kJ
Carboidratos: 12.34
Fats: 0 g
Proteínas: 2.94
A tiamina (vitamina B1) :0,41 mg (32%)
A riboflavina (vitamina B2): 0,78 mg (52%)
Ferro: 3,6 mg (29%)
Magnésio: 370,5 mg (100%)
Potássio: 1095 mg (23%)
Sódio: 121,8 mg (8%)

Propriedades

Mate é um excelente tônico e purificador, o segundo por seu caráter diurético. Sua capacidade de diurético explica um “paradoxo” da “dieta gaúcho “até o início do século XX : até então, os habitantes da zona rural do Cone Sul costumava ter uma dieta hiperproteínica, o que teria resultado em mais benigna dos casos, uma concentração muito elevada de ureia é reflete rapidamente condições imposibilitantes como a gota. No entanto, a diurese foi alcançada por excessos de alta ingestão contrabalançados uma dieta rica em proteínas. Mate, além disso, tem excelentes antioxidantes. De acordo com as conclusões de um estudo realizado em os EUA, o consumo do chá pode reduzir o colesterol, LDL ou colesterol “ruim”. Investigação afirma que o mate tem propriedades que induzem a atividade de importantes enzimas antioxidantes no corpo, um dos mais importantes é o da paraoxonase-1, o que ajuda a remover o colesterol mau e efeitos cardioprotetores.
Portanto, o mate é uma bebida benéfica e contra-indicado apenas em casos de insônia ou alguma disfunção renal grave.
Como observou recentemente com café, mate promove a atenção e, assim, as atividades intelectuais. Ele também é um bom antidepressivo, ao contrário do café, mate não é viciante, e não houve casos de insônia devido a este.
Um grupo de pesquisadores do Instituto Nacional do Câncer dos EUA e da Universidade Federal de Santa Maria, no Brasil, descobriu que as folhas secas e infusões processadas feitos com oito marcas diferentes, continham níveis muito elevados (8,03-53,3 mg / g folhas secas) de cancerígenos hidrocarbonetos aromáticos policíclicos (PAH ou PAH) (por exemplo, benzopireno). Estes compostos potencialmente cancerígenos provenientes de processo de comerciais folhas de erva-chimarrão, que envolve o uso de madeira de fumo queima de secagem, de forma semelhante ao caso de hidrocarbonetos aromáticos policíclicos encontrados em carne.
Fonte: es.wikipedia.org

24/04 -- Dia Internacional do Jovem Trabalhador

24/04 -- Dia Internacional do Jovem Trabalhador 

Dia Internacional do Jovem Trabalhador

Dia Internacional do Jovem Trabalhador
Em 24 de abril, nesta terça-feira, comemora-se o Dia Internacional do Jovem Trabalhador. A ideia é valorizar a importância deles no mercado profissional. Levantamento do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) mostra que dos 30,32 milhões de brasileiros entre 16 e 24 anos, pouco mais de 20 milhões são economicamente ativos. A legislação permite a contratação a partir dos 14 anos de idade, desde que na condição de Aprendiz. Antes disso, o trabalho é considerado infantil, portanto, crime.
A secretária da mulher e da juventude do Sintetel, Maria Edna Medeiros, participou do Fórum Paulista de Aprendizagem Profissional (FOPAP) no Senac da Consolação, em São Paulo. Lá, aconteceu o processo de eleição para a nova comissão colegiada do Fórum. “Estamos buscando a inserção do jovem no mercado de trabalho e também garantir o direito deles de participação sindical”, afirma Edna, que ainda manda um recado para os trabalhadores em telecomunicações. “Precisamos da união e participação dos jovens do setor”.
O diretor do Sintetel Fábio Oliveira também participou do evento, no qual foi eleito membro-titular, representando o movimento sindical.
Fonte: www.sintetel.org
Dia Internacional do Jovem Trabalhador
Dia Internacional do Jovem Trabalhador
Uma época de muitas dúvidas, algumas certezas e muitos caminhos disponíveis. Terminar os estudos, escolher uma profissão, se qualificar e encarar o duro e competitivo mercado de trabalho. Mandar o currículo para as empresas, conseguir ser chamado para entrevistas e ouvir aquela perguntinha bem capiciosa: “Tem experiência?”. Ser jovem e trabalhador não é simples. Mas é possível, muito possível. O dia 24 de abril é celebrado como o Dia Internacional do JovemTrabalhador e o Ministério do Trabalho e Emprego tem o que comemorar com a juventude brasileira.
A Constituição do país proíbe a realização de qualquer trabalho por menores de 16 anos, exceto na condição de aprendizes, a partir dos 14 anos. A Lei do Aprendiz trata de um contrato especial de trabalho, com tempo determinado de no máximo dois anos, direcionado a jovens com idades entre 14 e 24 anos. A empresa que contrata fica responsável por matricular o jovem em uma instituição qualificada de ensino, onde ele receberá aulas de algum curso de aprendizagem. As empresas de médio e grande porte são obrigadas a cumprir a
Lei da Aprendizagem, porém, outras empresas, não importando seu porte, podem contratar aprendizes.Os aprendizes têm direito ao salário mínimo/hora, salvo condição mais favorável fixada no contrato de aprendizagem ou prevista em convenção coletiva ou acordo coletivo de trabalho (art. 428, § 23º, da CLT), devendo ser computadas também as horas destinadas às aulas teóricas. O aprendiz receberá vale-transporte para o deslocamento residência/atividades teóricas e práticas e sua jornada de trabalho será de seis horas diárias, incluindo as destinadas ao curso. Os aprendizes que já tenham concluído o Ensino Fundamental trabalham 8 horas diárias, no máximo, incluindo as horas de aprendizado. Nos dois casos, a compensação e a prorrogação da jornada são proibidas.
Dos 30,32 milhões de brasileiros com idade entre 16 e 24 anos, 20,23 milhões são economicamente ativos. No entanto, 18,9% estão desempregados. Este índice é quase o dobro da taxa geral de desemprego. Cerca de 35% dos jovens ocupados não concluíram o ensino fundamental e outros 34,5% têm, pelo menos, o ensino médio completo. Além disso, 24,45% dos jovens brasileiros trabalham e estudam.
A leitura deste cenário levou o Ministério do Trabalho e Emprego a pensar em políticas públicas para reverter o quadro. E o caminho mais eficiente para garantir que o jovem tenha acesso ao mercado de trabalho e promovendo a qualificação profissional. No âmbito do Pro-Jovem – antigo Programa Nacional do Primeiro Emprego – há duas ações de destaque: Juventude Cidadã e Consórcio Social da Juventude. Ambos qualificam jovens com idades entre 16 e 24 anos, provenientes de famílias cuja renda per capita seja de até meio salário mínimo. Os cursos oferecidos são definidos a partir de análise da demanda de cada região.
Juventude Cidadã – De 2006 até dezembro de 2007 foram assinados 82 convênios, sendo 74 com municípios de vários estados e 10 com governos estaduais. A meta de inserção foi de 139.361 jovens, e de ingresso no mercado, de 41.809, totalizando a aplicação de mais de R$ 167 milhões.
Consórcio Social da Juventude – Atualmente há 26 convênios vigentes no MTE, referentes a parcerias firmadas nos biênios 2006/2007 e 2007/2008, beneficiando quase 54 mil jovens. Há registro de que 19.198 jovens que participaram do CSJ foram inseridos no mercado de trabalho.
Rais – E as ações já mostram resultados. De acordo com os dados da Relação Anual de Informações Sociais, do MTE, em 2006 havia 6,2 milhões de jovens entre 18 e 24 anos empregados no país. Sendo 3,8 milhões do sexo masculino e 2,4 milhões do sexo feminino. Os setores de Serviço (1.945.489), Comércio (1.893.859) e Indústria de Transformação (1.499.735) são os que mais empregam os jovens nessa idade.
Cursos de aprendizagem – Desde o último dia 16 de abril, já está disponível na página do MTE a oferta dos cursos de aprendizagem profissional para consulta de toda a sociedade. Criado pela Portaria MTE nº 615 de dezembro de 2007, o Cadastro de entidades e cursos significa um ato concreto em favor da promoção dos direitos da juventude à qualificação profissional e ao emprego digno.
A partir de agora, os cursos registrados no Cadastro do MTE serão validados segundo as diretrizes curriculares estabelecidas pela Portaria assinada pelo ministro Carlos Lupi. Mais do que fiscalizar o cumprimento da lei 10.097/2000, o MTE quer promover o aumento da qualidade dos cursos e programas ofertados, valorizando também o investimento dos empregadores na formação de mão-de-obra qualificada. Até o momento já são seiscentos e trinta e dois cursos cadastrados, que serão analisados com o objetivo de orientar às entidades qualificadas sobre a eventual necessidade de adaptação de suas propostas curriculares e pedagógicas no nível de formação inicial, para que os jovens e empregadores alcancem melhores resultados ao final dos programas de aprendizagem.
Fonte: Ministério do Trabalho e Emprego (MTE)