1

1

Google+ Followers

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Saiba o que comer quando estiver com baixa imunidade...

Você sabia que pode proteger a saúde e prevenir doenças de forma natural? Basta optar pelos alimentos certos, ricos em vitaminas, minerais e outras substâncias que fortalecem as defesas do organismo e acabam com a baixa imunidade.

Apenas consumindo a recomendação diária de frutas e vegetais, que é de cinco porções porções, já é possível garantir uma melhora para o sistema imunológico. Mas alguns alimentos são ainda mais eficientes na tarefa de proteger o organismo. Além disso, manter a boa qualidade do sono, fazer exercícios físicos e controlar o estresse também é importante.Frutas e vegetais devem fazer parte do cardápio diário de toda a família. Foto: iStock, Getty Images
Alimentos que aumentam a imunidade

As frutas cítricas estão entre os principais alimentos que combatem a baixa imunidade. Laranja, limão e kiwi são ricos em vitamina C, antioxidante que aumenta a resistência do organismo. Mas nenhum se compara a acerola, que possui até 50 vezes mais vitamina C que a laranja, agindo na reconstituição dos leucócitos em períodos de queda de resistência.

Opções como tomate, brócolis, couve e pimentão verde e vermelho também são fonte de vitamina C. Outro nutriente importante é o ácido fólico, que auxilia na formação de glóbulos brancos, responsáveis pela defesa do organismo. Está presente em vegetais verdes escuros, feijão, cogumelo shimeji e fígado.

Já a carne, cereais integrais, castanhas, sementes e leguminosas (feijão, lentilha, ervilha, grão de bico), são ricos em zinco, que ajuda no combate de resfriados, gripes e outras doenças causadas pela baixa imunidade.

As oleaginosas, como noz, castanha, amêndoa e óleos vegetais também são ricas em vitamina E, benéfica principalmente para os idosos, pois ajuda a evitar a diminuição da atividade imunológica causada pela idade avançada.

O tomate, além de rico em vitamina C, também é fonte de licopeno, aliado na eliminação dos radicais livres do organismo. O selênio também tem essa função e está presente em alimentos como castanha-do-Pará e cogumelos (champignon).

Considerado um superalimento contra a baixa imunidade, o gengibre é rico em vitaminas C, e B6, além de contar com ação bactericida, ajudando a tratar inflamações e fortalecer as defesas do organismo.

Já os probióticos, presentes em iogurtes e leites fermentados, possuem micro-organismos que também fortalecem o sistema imunológico. O alho, por sua vez, é fonte de alicina, que estimula a resposta imunológica.

Por último, os chás também ajudam a combater a baixa imunidade, entre eles o verde e o branco, ricos em catequina, um poderoso antioxidante. Vale a pena incluir no seu cardápio diário.
Outros cuidados para evitar a baixa imunidade

Além de manter uma dieta equilibrada e com os alimentos certos, outros hábitos também ajudam a proteger as defesas do organismo. Um deles é evitar o estresse, que leva o organismo a liberar hormônios chamados corticosteroides, conhecidos por sua atividade imunossupressora.

Manter a qualidade do sono é outro fator importante. Noites mal dormidas ou poucas horas de sono aumentam o nível de estresse do organismo e, consequentemente, reduzem a imunidade. O ideal é dormir entre sete a oito horas por noite.

Beber bastante água diariamente ajuda não só na hidratação e renovação celular, mas também na lubrificação das vias aéreas, evitando que infecções e alergias atinjam o corpo.

Resultado da Quina 4296, sexta, 27/01/2017

Resultado da Quina 4296, sexta, 27/01/2017

O resultado da Quina 4296 será divulgado no GIGA-SENA dia 27/01/2017, sexta-feira, a partir das 20:00 horas.

A Quina 4296 ocorrerá no dia 27 de janeiro de 2017 e o prêmio principal está estimado em R$ 500.000,00 para quem acertar o resultado da Quina 4296. Quem acertar a QUADRA com 4 números, o TERNO com 3 números ou o DUQUE com 2 números também ganha prêmio de menor valor. Se não houver nenhum ganhador com 5 números no resultado da Quina concurso 4296 o prêmio principal acumula para o próximo concurso da Quina.
Os valores de cada prêmio da Quina 4296 serão informados no painel de resultado do GIGA-SENA após o rateio.
CONCURSO 4296 DATA 27/01/2017
07
25
26
52
63
 
QUINAQUADRATERNODUQUE
prêmio
0,005.111,43101,482,31
ganhadores
x 0x 62x 4.696x 113.185
ACUMULOU!
Próximo Sorteio: 28/01/2017Prêmio Estimado: R$ 1.200.000,00

Resultado da Lotofácil 1467, sexta, 27/01/2017

Resultado da Lotofácil 1467, sexta, 27/01/2017

O resultado da Lotofácil 1467 será divulgado no GIGA-SENA dia 27/01/2017, sexta-feira, a partir das 20:00 horas.

A Lotofácil 1467 ocorrerá no dia 27 de janeiro de 2017 e o prêmio principal está estimado em R$ 1.700.000,00 para quem acertar o resultado da Lotofácil 1467. Quem acertar 14, 13, 12 ou 11 números também ganha prêmio de menor valor. Se não houver nenhum ganhador com 15 números no resultado da Lotofácil concurso 1467 o prêmio principal acumula para o próximo concurso da Lotofácil.
Os valores de cada prêmio da Lotofácil 1467 serão informados no painel de resultado do GIGA-SENA após o rateio.
CONCURSO 1467 DATA 27/01/2017
01
04
05
06
09
10
11
12
19
20
21
22
23
24
25
 
15 acertos14 acertos13 acertos12 acertos11 acertos
prêmio
234.111,301.378,9720,008,004,00
ganhadores
x 8x 597x 15.334x 177.859x 880.104
Próximo Sorteio: 30/01/2017Prêmio Estimado: R$ 1.700.000,00

Resultado da Lotomania 1731, sexta, 27/01/2017...

Resultado da Lotomania 1731, sexta, 27/01/2017

O resultado da Lotomania 1731 será divulgado no GIGA-SENA dia 27/01/2017, sexta-feira, a partir das 20:00 horas.

A Lotomania 1731 ocorrerá no dia 27 de janeiro de 2017 e o prêmio principal está estimado em R$ 7.500.000,00 para quem acertar o resultado da Lotomania 1731. Quem não acertar nenhum número ou acertar 19, 18, 17, 16 ou 15 números também ganha prêmio de menor valor. Se não houver nenhum ganhador com 20 números no resultado da Lotomania concurso 1731 o prêmio principal acumula para o próximo concurso da Lotomania.
Os valores de cada prêmio da Lotomania 1731 serão informados no painel de resultado do GIGA-SENA após o rateio.
CONCURSO 1731 DATA 27/01/2017
15
16
20
31
36
37
38
40
41
43
45
54
56
58
61
76
77
79
83
99
 
20 acertos19 acertos18 acertos17 acertos16 acertos15 acertos00 acertos
prêmio
0,0023.180,67951,5843,3218,474,330,00
ganhadores
x 0x 16x 348x 5.351x 12.546x 53.436x 0
ACUMULOU!
Próximo Sorteio: 31/01/2017Prêmio Estimado: R$ 8.800.000,00

O tabagismo e a hérnia de disco...

O tabagismo e a hérnia de disco pode ter estreita relação. O tabagismo ainda é um grave problema de saúde pública. Existem, atualmente, mais de 1 bilhão de fumantes no mundo, a maioria do sexo masculino, e alguns dados com relação ao tabagismo são realmente assustadores.

• Metade dos usuários de cigarros morrem por problemas decorrentes do tabagismo.

• O tabagismo mata, a cada ano, mais de 5 milhões de pessoas.
• Mais de 600 mil pessoas que não fumam morrem por ano por exposições à fumaça dos fumantes
• 80% dos fumantes são pessoas que vivem em países subdesenvolvidos.
• No Brasil, 23 pessoas por hora morrem devido ao tabagismo.

Atualmente, 21% da população brasileira fuma, esse número tem caído gradualmente desde 2000, quando a porcentagem de fumantes era de 29% (vide figura abaixo)

Várias são as doenças associadas ao hábito de fumar, entre elas:

– Câncer de pulmão
– Câncer de boca
– Câncer de laringe
– Câncer de estômago
– Infarto do miocárdio
– Enfisema nos pulmões
– Impotência sexual
– Bronquite
– Trombose vascular
– Redução da capacidade de aprendizado e memorização (principalmente em crianças e adolescentes)
– Aneurisma arterial
– Rinite Alérgica
– Úlcera do aparelho digestivo
– Infecções respiratórias
– Angina

Saiba mais sobre a relação entre tabagismo e a hérnia de disco. Foto: iStock/GettyImages

O tabagismo e a hérnia de disco

Um estudo da Finlândia, publicado esse ano em uma importante revista médica, demostrou que pacientes tabagistas têm maiores chances de desenvolverem hérnias de disco. Além disso a recuperação dos pacientes fumantes é mais lenta do que em pacientes não fumantes. Há estudos mostrando que o hábito de fumar aumenta o processo de degeneração do disco intervertebral e essa é a provável explicação para os resultados encontrados pelos pesquisadores.

Os dados são alarmantes. O tabagismo aumenta em 64% as chances de “dor no ciático” e em 45% as chances do paciente precisar de uma cirurgia.


Os pesquisadores avaliaram também os efeitos da interrupção do tagabismo e concluíram que aqueles que pararam de fumar tiveram o risco de desenvolver hérnias de disco reduzido, mas não a ponto de igualar os não fumantes.

A pesquisa vem de encontro com todos os esforços que instituição governamentais têm feito para diminuir a incidência de tagabismo, um dos grandes vilões da saúde pública. Campanhas alertando sobre os riscos conseguiram uma redução expressiva do hábito de fumar mas ainda há um longo caminho a percorrer.

Benefícios de parar de fumar

Se parar de fumar agora…
• após 20 minutos sua pressão sanguínea e pulsação voltam ao normal
• após 2 horas não tem mais nicotina no seu sangue
• após 8 horas o nível de oxigênio no sangue se normaliza
• após 2 dias seu olfato já percebe melhor os cheiros e seu paladar readquire a capacidade de identificar sabores
• após 3 semanas a respiração fica mais fácil e a circulação melhora
• após 5 a 10 anos o risco de sofrer infarto será igual ao de quem nunca fumou

Quanto mais cedo você parar de fumar, menor o risco de adoecer. Quem não fuma aproveita mais a vida!

Dr. André Marques Mansano é graduado em Medicina pela Universidade Estadual de Londrina. Recebeu do Instituto Mundial de Dor o título de “Fellow of Interventional Pain Practice”, em Budapeste. Médico Intervencionista da Dor na SINGULAR e no Hospital Israelita Albert Einstein (SP). Membro da Associação Médica Brasileira (AMB), Membro do Comitê de Educação do “World Institute of Pain” e da Sociedade Brasileira dos Médicos Intervencionistas em Dor. 

 Site web: http://www.drandremansano.com.br/

Trate as aftas e se livre do incômodo bucal...

Se você tomou suco de limão ou se esbaldou na apimentada culinária mexicana, é possível que acabe desenvolvendo aftas. Essas lesões bucais são responsáveis pela dificuldade em mastigar os alimentos e duram aproximadamente 10 dias. 

Elas são lesões superficiais que costumam aparecer na gengiva ou interior dos lábios. As principais características são o centro esbranquiçado e o contorno avermelhado. Quem explica é a cirurgiã-dentista Júlia Abreu.

“A causa é desconhecida até hoje, mas elas podem ser acarretadas por traumas mecânicos e alimentos cítricos ou apimentados”, indica. Fatores como a deficiência do sistema imunológico, estresse, alergias, uso de cigarro e alimentação inadequada também podem contribuir para o desenvolvimento das 


Para evitar novas incidências, o paciente deve estar ligado nos sinais que apresentou antes das lesões. Infecções por vírus e bactérias também podem acarretar o aparecimento das aftas e todo o desconforto que elas carregam.As aftas podem ser causadas por traumas mecânicos, alimentos cítricos ou apimentados. Foto: iStock, Getty Images
Aftas podem ser evitadas?

Depende. Casos frequentes podem significar uma alteração no sistema imunológico e podem ser contornados com mudanças no cardápio e o uso de suplementos. Lesões causadas por alimentos podem ser evitadas com a exclusão de comidas muito ácidas e apimentadas da rotina. Apesar disso, os métodos preventivos ainda são incertos.

“Não existe uma receita certeira para evitar as aftas. Seu aparecimento é comum, mas cada caso deve ser avaliado individualmente”, comenta Júlia. Entre em contato com dentista ao notar a presença de lesões constantes. Exames podem ser feitos para a análise da saúde e o diagnóstico das possíveis causas.
Veja 7 alimentos que pioram as dores

Eles são perigosos e podem estimular o desenvolvimento das feridas. Conheça os sete alimentos ou bebidas que provocam dor e desconforto e devem ser evitados por quem apresenta o problema com frequência:

Abacaxi
Refrigerantes
Laranja
Limão
Chocolate
Café

Molhos condimentados

Além de cuidar da alimentação, o paciente que está sofrendo com as dores deve procurar um dentista. Medidas devem ser tomadas para acelerar o processo de cicatrização da lesão e encurtar a duração da úlcera.

“Se a razão for traumática, como um dente fraturado ou uma prótese mal adaptada, o cirurgião-dentista se preocupará na remoção da causa”, afirma. Já casos não traumáticos são amenizados com a eliminação de comidas e bebidas que prejudicam o desenvolvimento das aftas.

É importante evitar que a escova de dentes ou alimentos encostem nas lesões durante o processo de cicatrização. “Isso pode aumentar a dor e a duração da ferida”, adverte Júlia. Também evite receitas caseiras e sem aprovação de um especialista, pois elas podem piorar a evolução do quadro.



É muito importante deixar a lesão terminar seu ciclo, que dura de sete a 10 dias. Casos mais graves e frequentes podem ser tratados com corticoides de uso tópico ou sistêmico, desde que recomendados por profissional.

Consumo de gengibre pode ajudar a tratar câncer de mama...

Muito utilizado em chás ou em raspas que podem ser adicionadas a sucos, iogurtes ou saladas, o consumo de gengibre está muito associado a benefícios para o trato intestinal e na prevenção de gripes e resfriados. No entanto, uma pesquisa recente mostra que uma substância presente na raiz também pode ajudar no tratamento do câncer de mama.
O estudo aponta que um composto presente no gengibre pode ajudar no tratamento de câncer. Foto: iStock, Getty Images
Composto ainda está em fase de testes

O composto em questão é denominado [10]-gingerol, uma substância isolada do gengibre que está em fase de testes no Laboratório de Biologia do Envelhecimento (LABEN) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

A molécula demonstra potencial para ser usada no tratamento de câncer, seja isoladamente ou em conjunto com a quimioterapia, podendo reduzir os efeitos colaterais. Ela já foi testada e obteve resultados positivos contra neoplasias mamárias, mas deve ser testada ainda também em tumores na próstata, no pulmão e no colo de útero.

Segundo a professora Márcia Cominetti, uma das responsáveis pelo estudo, o composto exerce uma atividade específica: a de matar mais células tumorais em comparação com células normais, por um mecanismo chamado de morte celular programada.

A substância possibilita que não ocorra a inflamação nos tecidos, efeito que se espera de um medicamento anti-tumoral. O estudo, que começou em 2010, foi realizado em parceria com o Departamento de Química da UFSCar, responsável por fornecer amostras de compostos de origem natural extraídos de plantas, como a catuaba e a laranja, além do gengibre.

Por enquanto, já se comprovou que a substância, além de conseguir inibir o crescimento do tumor primário de mama, também inibe metástases, que ocorrem quando células do tumor primário se deslocam e passam a afetar outros órgãos.

O [10]-gingerol mostrou inibir a multiplicação de tumores pulmonares, ósseos e cerebrais. Segundo Cominetti, a descoberta é de grande importância, já que há poucos medicamentos utilizados para combater tumores cerebrais e, nesses casos, muitas vezes a cirurgia é praticamente inviável.

Outros três benefícios do consumo de gengibre

Enquanto novos estudos não atestam a real eficácia do consumo de gengibre contra o câncer, você pode continuar aproveitando os vantagens já mais conhecidas dessa raiz. Confira três desses benefícios:
Ajuda a emagrecer

O gengibre auxilia na perda de peso porque atua como acelerador do metabolismo, estimulando a queima de gordura corporal. Os compostos 6-gingerol e 8-gingerol, presentes nessa raiz, aumentam a produção de calor e suor, o que também ajuda no emagrecimento.
Combate a azia

O raiz também é bastante utilizada para combater azia e gases intestinais. Se você sofre desses males, consuma quatro xícaras de chá ao longo do dia. A bebida quente deve ser feita na proporção de uma colher de gengibre para cada xícara de água.
Atua como antioxidante e anti-inflamatório

Para que sofre seguidamente com gripes e resfriados, o gengibre também é muito útil, graças ao seu poder antioxidante. Além disso, ele também tem ação anti-inflamatória, melhorando os sintomas de artrite, dor muscular e doenças respiratórias, como tosse, asma e bronquite.

http://doutissima.com.br/2016/06/22/consumo-de-gengibre-pode-ajudar-tratar-cancer-de-mama-14830596/

Ácido úrico e os seus efeitos no organismo...

Todo mundo já ouviu falar sobre o ácido úrico em algum momento da vida. Esse composto orgânico é resultante da quebra das moléculas de uma das proteínas encontradas nos alimentos. Em excesso, ele pode ocasionar problemas nas articulações, insuficiência renal e até mesmo o possível aumento da pressão arterial.

A elevação dos níveis pode acontecer por conta de três motivos: o indivíduo pode estar produzindo demais, eliminando pouco ou tendo a elaboração potencializada pelo uso de algum medicamento. Quando ocorre o aumento, aparecem também os primeiros sintomas desagradáveis.As dores nas articulações dos dedos são um dos principais sintomas do desiquilíbrio. Foto: iStock, Getty Images
Efeitos do ácido úrico

O ácido úrico é capaz de produzir pequenos cristais em formato de agulha quando presente em excesso no sangue. Essas pequenas farpas são depositadas em diversas regiões do corpo. Os principais afetados são as articulações dos joelhos, dedos, tornozelos e calcanhares, além dos órgãos como os rins e coração.

Alguns estudos ainda estão tentando provar as relações do ácido úrico com problemas de saúde como aumento do colesterol, depósito de gordura no fígado, hipertensão e obesidade. Essa complicação está baseada na capacidade desse composto em aumentar a retenção de sódio e, assim, erguer os níveis de pressão arterial.

O diagnóstico da alteração do composto orgânico é dado por exame de sangue. Os níveis de ácido úrico são medidos após um período de oito horas em jejum. O médico responsável pela análise irá fazer o teste e interpretar as possíveis causas das suas dores nas articulações, cálculos e insuficiência renal aguda ou crônica.
Ácido úrico: tratamento e prevenção

Quem apresenta esse distúrbio metabólico deve apostar em uma vida mais tranquila, rejeitar o uso de medicamentos diuréticos e anti-inflamatórios. O médico responsável por sua saúde ainda pode indicar alguns medicamentos para diminuir a produção do ácido úrico ou para potencializar a sua eliminação. Alguns casos pedem o uso conjunto desses fármacos.

O afetado pelo desiquilíbrio ainda deve investir em uma alimentação regrada. Alimentos como carne vermelha, frutos do mar e miúdos devem ser consumidos em pequenas quantidades. Eles elevam os níveis de purina no organismo.

Já o leite e seus derivados são liberados no cardápio, já que eles potencializam a excreção do ácido úrico. Se possível, além de entrar em contato com médico especialista, marque consulta com uma nutricionista.

Os dois profissionais podem trazer ótimas sugestões para a melhora de sua saúde e alívio das dores. Ao seguir as recomendações, você terá a sua qualidade de vida, autoestima e tranquilidade devolvidas. Para começar, aposte nas três dicas que separamos:

Beba muito líquido: o ácido úrico é eliminado na urina e pode ser equilibrado por meio da produção de muito xixi.

Alimente-se de maneira natural: aposte nos pratos saudáveis e livres de produtos industrializados. Quanto mais natural, melhor.

Esqueça as bebidas alcoólicas: a cerveja é fonte de purina e deve ser controlada. Prefira sucos e água.

Tudo o que você precisa saber sobre herpes....

O vírus da herpes é o responsável pelas bolinhas que surgem nos lábios em momentos de nervosismo ou aflição. Essas lesões, desconfortáveis e com aspecto feio, não têm cura, mas podem ser amenizadas com medicamentos específicos para o encurtamento de sua duração. 

Causada pelo vírus do herpes simples humano 1, que é normalmente associado aos quadros vistos nos lábios, rosto ou boca, a doença não apresenta grandes riscos à saúde. A contaminação ocorre pelo contato direto da pele ou mucosas de um indivíduo saudável com outro infectado. As lesões podem surgir rapidamente ou reaparecer após alguns anos.

O vírus é capaz de permanecer no corpo sem apresentar sinal ou sintoma. De acordo com a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), as principais características da doença são as vesículas agrupadas e compostas por um líquido transparente em seu interior. Elas podem surgir em qualquer região do corpo.
As lesões na boca ou lábios são normalmente causadas pelo vírus tipo 1. Foto: iStock, Getty Imagesp
Sintomas e diagnóstico da herpes

O local mais afetado pelas bolinhas é a boca. A infecção ainda pode acarretar febre baixa, dores de cabeça, inchaço dos gânglios localizados nas laterais do pescoço e dificuldade para urinar – nos casos de herpes genital. As lesões também acarretam dor leve, sensação de ardência, coceira e formigamento.

As vesículas de herpes podem surgir após uma queda da imunidade, estresse, contato direto com o sol, febres, infecções, menstruação e traumas na pele. Uma pessoa pode apresentar até oito quadros da doença ao longo de um ano. Casos como esse devem ser prevenidos com o uso de terapias para o fortalecimento do sistema imunológico.

O diagnóstico é dado por meio de exame clínico. O médico especialista irá fazer uma raspagem do conteúdo que está presente no interior da vesícula. Essa substância será analisada em microscópio. Testes como a cultura viral e a sorologia também podem ser recomendados em alguns casos. 
Herpes e o seu tratamento

Quanto mais cedo ocorrer o tratamento, melhor. Ele deve ser iniciado após a identificação dos primeiros sintomas. A pomada antiviral é recomendada para o controle dos sinais e deve ser aplicada ao longo do dia. Alguns quadros mais graves podem pedir a administração oral do medicamento.

O paciente que está apresentando as lesões da herpes deve evitar o contato com as bolinhas. Não beije na boca ou fique muito próximo de outras pessoas – crianças apresentam maior risco de contaminação. Lave as mãos após manipular o medicamento ou as vesículas, já que a virose pode ser transmitida para outras regiões do corpo.

Uso indiscriminado de analgésicos causa problemas de saúde...

Com que frequência você sente dor de cabeça? Quantas vezes recorre aos analgésicos? Um levantamento da Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que 5% da população mundial sofra com esse incômodo de maneira regular.

No entanto, levantamento do Instituto Nacional de Excelência Clínica e da Saúde (Nice) mostra que o excesso do uso de medicamentos para combater a pode causar dependência e levar o usuário a um ciclo vicioso.

De acordo com o estudo, realizado na Grã-Bretanha, quase um milhão de pessoas sofrem com dores evitáveis, resultado do consumo desmedido de remédios analgésicos. Ou seja, vale a pena ficar de olho.

Analgésicos aumentam risco de problemas cardíacos

Mas não são apenas os pesquisadores do Reino Unido que estão preocupados com o consumo dessa medicação. Neste ano, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) divulgou diretrizes que servem de alerta sobre a utilização de analgésicos como codeína, morfina, metadona e derivados.

O órgão recomenda que esses medicamentos não sejam a primeira opção no tratamento cotidiano de dores de cabeça e nas costas. No Brasil, esse tipo de remédio é vendido sem prescrição médica e o seu uso indiscriminado está associado a arritmias cardíacas e mortes súbitas.

Segundo um estudo realizado pela University Medical Center in Rotterdam, na Holanda, com mais de oito mil pacientes, o uso contínuo de analgésicos pode aumentar em 80% os riscos de arritmia cardíaca. Ou seja, a dica é que eles sejam usados a partir de recomendação médica e não por automedicação.

Especialistas em neurologia afirmam que a automedicação se torna um problema quando o paciente passa a consumir esse tipo de substância por 10 a 15 dias no mês. Por isso, vale a pena ficar atento à frequência das dores.O consumo de analgésicos é seguro, desde que indicado por um médico. Foto: iStock, Getty Images
Por que se preocupar com a arritmia cardíaca

Para o coração bombear sangue e realizar todas as suas funções corretamente, precisa que seu mecanismo de contração (sístoles) e relaxamento (diástoles) esteja sincronizado. Isso só acontece quando suas células agrupadas desempenham o papel de um marca-passo natural.

É o descompassos desses estímulos elétricos que leva ao processo de arritmias cardíacas. O problema é que ela nem sempre é identificada de modo simples, o que atrasa o início do tratamento. E esse é apenas um dos problemas que podem ser desencadeados pelo consumo excessivo de analgésicos.

Afinal de contas, o que serve para o seu amigo nem sempre é a melhor alternativa para você, assim como a dosagem. Não é à toa que a orientação médica é tão importante e não deve ser dispensada, mesmo nos casos mais simples.

Fumantes passivos na infância correm maior risco de obesidade...

A partir de agora há mais duas razões para não acender um cigarro na frente de seus filhos. Foi descoberto que pequenos que são fumantes passivos podem ter maior risco de obesidade e diminuição dos níveis de capacidade cognitiva no futuro. As conclusões são de especialistas do Medical College of Georgia.
Fumo pode prejudicar crianças

Quando se pensa em danos causados pelo cigarro, logo eles são associados a doenças pulmonares. Mas a fumaça do tabaco é capaz de prejudicar o corpo de várias outras maneiras – e não apenas de quem fuma. Os fumantes passivos também podem ser prejudicados.

Isso vale especialmente para crianças, que muitas vezes têm seu desenvolvimento afetado. Pesquisadores do Medical College of Georgia descobriram que o fumo passivo não só prejudica o desenvolvimento cognitivo das crianças, mas também está associado com a obesidade.

Para isso, eles usaram exames de sangue, determinando a exposição da criança à fumaça. Foram encontradas discrepâncias significativas entre o que os pais disseram e a quantidade de fumaça realmente inalada pelos pequenos.

Os pesquisadores estudaram 200 crianças com obesidade, com idades de sete a 11 anos. Os dados mostraram que quanto maior o nível de fumo passivo a que elas estavam expostas, maior era o total de gordura corporal delas. A característica foi notada particularmente no estômago, o que reforçou a conclusão.

Do mesmo modo e proporção, elas também apresentaram piores desempenhos na função cognitiva. Os cientistas notaram que os pequenos tinham baixos níveis de atenção na escola e, por consequência, notas mais baixas.

A partir desses resultados, o Reino Unido tem feito movimentos ousados para diminuir a quantidade de crianças expostas ao fumo passivo. Desde 2015, os adultos estão proibidos de fumar em veículos quando houver crianças presentes.
Fumar perto do seu filho pode render problemas mais tarde. Foto: iStock, Getty Images
Outros riscos de fumantes passivos

Respirar a fumaça do cigarro de outra pessoa pode aumentar o risco de câncer e outros problemas de saúde. O tabagismo passivo é capaz de danificar seu corpo porque o fumo contém mais de quatro mil substâncias químicas, muitas das quais são irritantes e tóxicas.

Ou seja, a exposição frequente à fumaça é capaz de aumentar o risco de câncer de pulmão mesmo sem fumar. Há elevação ainda nos riscos de doença cardíaca coronária – uma das causas de ataques cardíacos, angina (dor no peito) e insuficiência cardíaca. Também é maior é o perigo também de sofrer um acidente vascular cerebral.

Os malefícios não param por aí. Conforme um estudo publicado na revista The Lancet Diabetes & Endocrinology, o tabagismo passivo eleva as chances de diabetes em 22% em comparação com pessoas não expostas à fumaça.

Para crianças, os perigos são ainda maiores. Quando os pequenos inspiram a fumaça de cigarro, podem ter maiores chances de síndrome da morte súbita do lactente e asma – inclusive ataques para quem já sofre com ela.

Vale lembrar ainda que aqueles que crescem com membros da família que fumam são até três vezes mais propensas a começar a fumar, segundo levantamentos. Além disso, para pais fumantes é particularmente difícil explicar por que os filhos não devem adotar também esse hábito.

Criança com problemas na coluna: Quais as causas?

Problemas na coluna não são um incômodo que a atinge unicamente as pessoas mais velhas. É cada vez mais frequente a queixa de crianças com dores nas costas, causadas, principalmente, por má postura e sobrecarga de materiais escolares. Segundo estudos, cerca de 60% dos meninos e 70% das meninas já sofreram com dores nas costas, antes mesmo dos 15 anos.
Saiba como prevenir problemas na coluna em crianças. (Foto: Istock)
Causas dos problemas na coluna

Segundo o fisioterapeuta e diretor do Instituto de Tratamento da Coluna Vertebral, Helder Montenegro, o peso das mochilas escolares é um fator de risco determinante para os problemas na coluna durante a infância, que incluem lesões na região cervical, torácica, lombar e no ombro. Para evitar essa incidência, o especialista acredita que a primeira medida deve ser o cuidado com o peso dessas bolsas. “A mochila não deve ultrapassar 10% do peso da criança. O excedente faz com que a criança projete o tronco para frente. Com isso, os músculos das costas passam a trabalhar em excesso para suportar a bolsa”, explica. O resultado dessa sobrecarga é o surgimento de uma fadiga nos músculos lombares, o que acarreta em dores na região.

Outro fator de risco a ser considerado é a obesidade infantil. Isso porque, segundo o fisioterapeuta, o acúmulo de gordura na região lombar influencia a postura, além de sobrecarregar a coluna. Por outro lado, o excesso de atividades físicas também é uma casa da doença, devido à sobrecarga que a coluna pode vir a sofrer.
Como prevenir problemas na coluna entre as crianças

Para evitar essas dores precoces nas crianças, o recomendado é que haja uma prevenção, inserindo hábitos saudáveis no dia a dia dos pequenos.

Uma das orientações, segundo o fisioterapeuta, é em relação ao uso de celulares e notebooks, em posições adequadas. “Normalmente, ao usar esses aparelhos, a pessoa fica com a cabeça inclinada para baixo. Isso pode causar desvio de coluna, desgaste do disco que fica entre as vértebras e ainda contribuir para o aparecimento de uma hérnia”, enumera o médico. Por essa razão, o indicado é acessar o celular sempre na altura dos olhos, sendo que um braço deve estar cruzado dando o devido aporte para o outro braço. Isso evita a sobrecarga da musculatura cervical. Além disso, é recomendado realizar pausas a cada hora para relaxar a postura.

Algumas orientações passadas dos pais aos filhos, desde os primeiros anos de vida, também podem ajudar nesta prevenção. Uma dica simples é que ao pegar algo no chão, deve-se dobrar os joelhos e não as costas. Outro hábito que faz diferença na manutenção da saúde infantil é que, ao sentar, a coluna tem de ficar reta e as coxas paralelas ao chão.
Como aliviar as dores

Em casos de dores nas costas por causa muscular, é comum que os especialistas receitem compressas quentes, relaxantes musculares e analgésicos. Além disso, podem indicar também exercícios para alongar e fortalecer os músculos, com acompanhamento de um fisioterapeuta.

http://doutissima.com.br/2016/11/29/crianca-com-problemas-na-coluna-14832447

Cuidados com a região íntima para a saúde feminina no verão...

O verão e suas altas temperaturas pedem uma maior exposição à piscina e ao mar. E essa prática tão agradável que ajuda a aliviar o calor tropical também guarda alguns perigos para a saúde feminina. Isso porque o hábito de ficar com o biquíni úmido por muito tempo ajuda na proliferação de fungos e bactérias nas regiões íntimas.Saiba como preservar a saúde feminina no verão. (Foto: Istock)
Como cuidar da saúde feminina no verão

Além de permanecer com roupas de praia úmidas, outros hábitos podem alimentar fungos e bactérias na região íntima da mulher: Roupas apertadas, em especial a calça jeans, além de depilação completa na região genital e uso de produtos perfumados.

Entre as infecções mais comuns nesta época do ano é a Candidíase, que tem como sintomas coceira na vagina, secreção esbranquiçada e sensação de ardor, geralmente sem odor.

Segundo o médico ginecologista e obstetra Dr. Domingos Mantelli, o primeiro passo para evitar a doença é, justamente, evitar deixar que a roupa seque no corpo.

Outro problema comum é o corrimento, uma infecção desencadeada por fungos e bactérias. Para não sofrer com isso, a higiene genital é de extrema importância. “Se o problema é interno, não se pode menosprezar o órgão genital feminino, já que é a porta de entrada de agentes causadores de infecções”, explica.

Para evitar viroses, o indicado é apenas se banhar em locais que se tenha certeza que não é poluído ou contaminado. A vulva pode contrair viroses, como o molusco contagioso, caracterizado por vesículas cujo centro parece um umbigo.

Outro distúrbio característico do calor é a Vaginose Bacteriana, causado por bactérias anaeróbicas que surgem devido à não ventilação local. O uso de roupas apertadas estimula esse mal. “Nesse caso, o corrimento é acinzentado com odor desagradável, principalmente após a relação sexual”, explica o médico.
Como proteger a saúde íntima da mulher:


Ao sair da água, troque o biquíni ou maiô imediatamente por roupas secas;
Evite tirar todos os pelos do órgão genital, pois eles têm a missão de proteger a vulva. Não se depile no mesmo dia que for mergulhar, já que isso pode causar minúsculas lesões na pele, que fica desprotegida e exposta à contaminação;
Não use tecido sintético em dias quentes. Ele impede a ventilação na vagina. Prefira as calcinhas de algodão;
As calcinhas devem ser lavadas sempre com sabão de coco ou sabonete neutro. Evite amaciante e água sanitária nas peças;
Troque com regularidade o absorvente íntimo e nunca durma com ele. Prefira dormir sem calcinha para arejar a região genital;
Opte por sabonetes à base de glicerina, já que os sabonetes íntimos combatem tanto os microorganismos nocivos quanto os necessários à vagina. Se usar sabonete, a quantidade deve ser pequena;
Consulte o ginecologista regularmente para realizar exames ginecológicos de rotina.

http://doutissima.com.br/2016/12/09/cuidados-com-saude-feminina-no-verao-14832513/

Como dormir bem pode ajudar a emagrecer...

Quem nunca teve insônia e resolveu atacar a geladeira no meio da madrugada ou na manhã seguinte? Pois segundo um estudo realizado em novembro, pelos pesquisadores na universidade britânica King’s College London, revelou que as pessoas que dormem pouco costumam comer mais do que aquelas que conseguem dormir bem durante toda a noite.Entenda como dormir bem pode ter relação com a sua alimentação. (Foto: Istock)
Como dormir bem emagrece

Segundo a pesquisa que foi publicada no European Journal of Clinical Nutrition mostrou, quem dorme poucas horas por noite chegam a consumir uma média de 385 calorias a mais por dia, em relação às outras pessoas.

O estudo contou com 172 voluntários e os pesquisadores analisaram o que eles consumiram durante 24 horas após acordarem. Participaram dois grupos de pessoas: aquelas que dormiam apenas de 3 horas e meia a 5 horas e meia e aquelas que dormiam de 7 a 12 horas por noite.

O que os resultados mostraram é que aqueles que descansavam por menos tempo ingeriam mais alimentos gordurosos e menos proteínas durante o dia seguinte. No entanto, não houve alteração no consumo de carboidratos.

Para Gerda Pot, uma das autoras da pesquisa, o estudo é uma prova de que a ausência de sono tem relação direta com a obesidade: “A principal causa deste distúrbio é um desequilíbrio entre o consumo e a queima de calorias. Se a privação do descanso noturno afeta por muito tempo a ingestão calórica, ela pode contribuir para o ganho de peso”, explicou a especialista.
Mas qual a relação entre dormir pouco e comer muito?

Para os pesquisadores responsáveis por esse estudo, ainda não há uma explicação clara sobre por que dormir pouco afetada a forma com que nos alimentamos. Segundo eles, é possível que algumas áreas do cérebro ligadas ao sistema de recompensa sejam ativadas quando uma pessoa que dormiu pouco se encontra diante de um alimento.

No entanto, outra explicação é que quando o relógio biológico está desajustado isso afeta a regulação de hormônios ligados à saciedade e à fome. “Nossos resultados apontam o sono como um potencial terceiro fator, além da dieta e do exercício, no combate ao ganho de peso”, comenta a líder da investigação, Haya Al Khatib.

Para a cientista, é preciso que sejam realizados mais estudos que busquem analisar os efeitos a longo prazo que o hábito de dormir mal pode causar na saúde e na tendência à obesidade.

http://doutissima.com.br/2017/01/04/como-dormir-bem-pode-ajudar-emagrecer-14832620/

Principais dúvidas sobre o surto de febre amarela...

A febre amarela é a doença da vez no país, voltando a ser motivo de preocupação para as autoridades, devido às 47 mortes por esse motivo em Minas Gerais, apenas neste início de ano. E mais: já foram notificados 152 casos suspeitos da doença em 24 municípios do Estado, fazendo com que o Governo decretasse situação de emergência em saúde pública. Diante deste quadro, você sabe como se prevenir da febre amarela?Tire suas dúvidas sobre a febre amarela. (Foto: Istock)
O que é Febre amarela?

A febre amarela é causada por um vírus presente em macacos e transmitida por mosquitos infectados. Ela se apresenta em duas formas: urbana, quando é transmitida pelo Aedes aegypti; e silvestre, quando transmitida pelo Haemagogus e Sabethe. Os casos registrados recentemente são os silvestres. O vírus não é transmitido entre pessoas e, sim, unicamente, pela picada desses mosquitos.

Os sintomas iniciais da febre amarela são: febre alta, calafrios, cansaço, dor de cabeça, dor muscular, náuseas e vômitos, podendo durar até três dias. A doença ataca diversos órgãos, sendo os alvos principais o fígado, os rins e o cérebro.

Em sua forma mais grave, a febre amarela apresenta os sintomas: insuficiência hepática e renal, icterícia (olhos e pele amarelados), hemorragias (com sangue na urina, fezes e vômito) e encefalopatia (confusão mental e danos cerebrais que pode levar ao coma).
A febre amarela pode chegar às cidades?

Embora o Aedes aegypti seja o transmissor da doença no meio urbano, ele não costuma transmitir tanto, como acontece nos casos da dengue, da zika e da chikungunya. O grande risco é se acontecer de uma pessoa que contraiu a febre amarela na zona rural for picada por esse mosquito na cidade e, assim, transmitir a doença. No entanto, isso terá que acontecer entre 24 e 48 horas antes do aparecimento dos sintomas ou de 3 a 5 dias após.

Há uma suspeita de que esse surto da doença esteja relacionado com a tragédia em Mariana, em 2015, que causou um enorme desequilíbrio ambiental.
Como se proteger

Segundo o Ministério da Saúde, a única maneira de se proteger da febre amarela é por meio da vacinação, disponível no SUS (Sistema Único de Saúde). Crianças a partir de nove meses de idade que vivem nas áreas endêmicas ou viajarão para essas regiões já podem ser vacinadas.

Após os cinco anos de idade, uma dose única da vacina já é o suficiente para que a pessoa fique imunizada para o resto da vida. Porém, segundo o calendário nacional de vacinação, são recomendadas duas doses: sendo a primeira aos noves meses de idade e depois um reforço aos quatro anos.

Em locais que estão sofrendo com o surto da doença, o Ministério da Saúde tem abastecido os postos de saúde e privilegiando moradores de áreas rurais e quem nunca foi imunizado.
A vacina contra a febre amarela tem contraindicação?

A vacina apresenta riscos para quem possui baixa imunidade e alergia a ovo, podendo causar reações alérgicas, no sistema nervoso central e o desenvolvimento da própria doença.

Por essa razão, pessoas com câncer, portadoras do HIV, bebês com menos de seis meses, grávidas (ou mulheres que amamentam) e idosos devem procurar um médico para passar por uma avaliação, antes de se vacinarem.
Como é o tratamento da doença?

Grande parte dos infectados apresenta melhora após os sintomas iniciais. No entanto, uma média de 15% desses pacientes desenvolve uma forma mais grave, sedo necessária a internação. Até 50% dos casos graves podem levar ao óbito, especialmente se a doença não for tratada em um período de sete dias.

http://doutissima.com.br/2017/01/17/surto-de-febre-amarela-14832764/

DE CABRAL a D. PEDRO II: O GOVERNO - GERAL...


















(ARQUIVO PESSOAL)
http://noticiasdobrunopontocom.blogspot.com.br/