1

1

Google+ Followers

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Desenhos Bíblicos para Flanelógrafo




Clique Aqui

http://algotaodoceeducacao.blogspot.com.br/2014/12/desenhos-biblicos-para-flanelografo.html

Atividades de Inglês

Números Aqui 

Como você está Aqui



Você está com fome? Aqui


Quantos anos você tem?Aqui


Fonte:http://supersimplelearning.com/

Atividades Maternal Cantando e Aprendendo


Clique Aqui

http://algotaodoceeducacao.blogspot.com.br/2015/03/atividades-maternal-cantando-e.html

Jogo UNO das Frações


Um jogo para trabalhar sobre as equivalências entre frações .Para jogar pedi-se uma fração do mesmo denominador ou uma fração equivalente .O jogo inclui 208 cartas com 180 cartões frações.



Baixar jogo Aqui

fonte:http://www.laclassedemallory.com/

Matemática divertida

Baixar Aqui


fonte :http://fromabcstoacts.com

Atividades de Matemática Disney





Traduzido por http://estimulandomeusfilhos.blogspot.com.br
Baixar Aqui

http://algotaodoceeducacao.blogspot.com.br/2015/05/atividades-de-matematica-disney.html

Dica : acentuação - URUBU,TATU E CRU

Dica : acentuação - URUBU,TATU E CRU
É comum ver palavras oxítonas terminadas em u com a letrinha acentuada. Talvez para dar maior ênfase, lemos numa placa de trânsito: Pacaembú. Mas aqui o acento é totalmente dispensável. Nem urubu, nem tatu, nem caju, nem Botucatu, nem Aracaju, nem cru, nem mesmo surucucu precisam dele. Bem diferente é o caso das oxítonas que terminam com u integrando um ditongo, como: baú, Jaú ou Esaú.

http://virginiarocha.blogspot.com.br/search?updated-max=2013-01-30T15:17:00-08:00&max-results=10&start=208&by-date=false

Dica: CONFUSO HORÁRIO



Sol a pino, há quem olhe o relógio e diga: Meio-dia e meio. Este segundo meio está errado. Meio do quê? A propósito, ninguém fala duas horas e meio, mas duas horas e meia (hora). Está armado o confuso horário. À noite, quando os dois ponteiros novamente se unem, falamos meia-noite e meia, não é? O certo, portanto, é meio-dia e meia. A meia hora noturna tem os mesmos trinta minutos da meia hora diurna.

http://virginiarocha.blogspot.com.br/2013/01/dica-confuso-horario.html

DEZ DICAS DE COMO ESCREVER UM BOM RESUMO

1. Faça uma síntese das ideias e não das palavras;


2. Seja claro, preciso e objetivo;


3. Deixe fora o que for irrelevante, apegue-se somente aos aspectos principais do texto;


4. Use apenas as informações essenciais;


5. Atente-se ao leitor, pois ele terá melhor compreensão se houver economia de palavras;


6. Objetive o seu texto sempre para o leitor, porque é ele quem dará as coordenadas;


7. Resumos de trabalhos técnico-científicos devem ser breves (em geral de 100 a 500 palavras) sem omitir o essencial;


8. Deve-se preferir o uso da 3ª pessoa e do verbo na voz ativa. Exs.: Apresenta-se; Aplicou-se etc.;


9. Seu resumo deve conter palavras-chaves, relacionadas ao assunto;


10. Por fim, seja fiel ao texto, não coloque a sua opinião a respeito do tema.

http://virginiarocha.blogspot.com.br/2013/01/dez-dicas-de-como-escrever-um-bom-resumo.html

Dicas de qualidade textual




Alguns pontos são imprescindíveis para se expressar, no papel, como manda o figurino, são eles:


Clareza
As ideias devem ser expressas de forma mais claras possíveis; para tal é preciso manter-se focado no que se deseja transmitir e não encher o texto de "linguiça" , isto é, dizer apenas o que se pretende, sem muitos rodeios.


Coerência
Não se pode sair escrevendo qualquer coisa que dá na "telha". Concatene suas ideias de forma a não enveredar para outras linhas do pensamento, ou seja, organize-as estabelecendo o parâmetro de início, meio e fim.


Concisão
Use sempre frases e períodos curtos.


Coesão
É bom saber usar os conectivos no lugar certo, isto é, para isso é necessário primeiro conhecê-los. Sejam esses coordenativos ou subordinativos.


Impessoalidade
Evitar particularizar; mas sim, generalizar sempre o assunto.


Ambiguidade
Evitar os sentidos dúbios das palavras.


Cacofonia
Evitar os sons desagradáveis.


Pontuação
É preciso saber que a vírgula é uma pausa pequena pra se poder respirar; o ponto-e-vírgula é uma pausa maior que a vírgula e menor que o ponto. E assim, é bom estar a par das regras da pontuação, porém a sua própria respiração lhe dirá o momento certo.


Ortografia
Procure estar por dentro das reformas, pois muita coisa que aprendemos será extinto a partir de agora. É necessário também fazer visitas frequentes ao dicionário.


Termos vagos
É preciso evitá-los.


Gírias
Nem pensar em usá-las; a não ser na linguagem coloquial oral.


Ideologias e dogmas
Não se deve propagá-las em hipóteses nenhuma.


Abreviações
Evite-as sempre.


Provérbios e ditados populares
Nem pensar em usá-los; a não ser que venham com citações bíblicas ou com as devidas referências.


Evitar Exageros
É de mau gosto usá-los, assim evite-os.


Imparcialidade
Não se deve exprimir sentimentos e emoções.


Humildade

http://virginiarocha.blogspot.com.br/2013/01/dicas-de-qualidade-textual.html

Com certeza !



A forma de escrita correta é com certeza.
Com certeza: locução adverbial de afirmação


A palavra concerteza está errada. Nunca deverá ser escrita uma só palavra, mas sim duas palavras separadas, formando uma locução adverbial de afirmação. Chamamos de locução adverbial duas ou mais palavras que juntas atuam como um advérbio, alterando o sentido do verbo.


Exemplos:
Esta é, com certeza, a melhor feijoada que eu já comi!
Para o jogo de futebol de sábado, pode contar comigo com certeza.
Com certeza, poderemos acreditar que você fará um bom trabalho.


Atenção!
A locução adverbial com certeza pode expressar tanto uma convicção quanto uma probabilidade. É, ainda, utilizada popularmente como expressão entusiástica.


Exemplos:
Eu, com certeza, gostei da apresentação. (convicção)
Não se preocupe, com certeza ele gostou da apresentação. (probabilidade)
- Você gostou? – Com certeza! (expressão entusiástica)

http://virginiarocha.blogspot.com.br/2013/01/com-certeza.html

Pense nisso

http://virginiarocha.blogspot.com.br/

Troféus ou troféis?


Troféus é a forma correta de escrita da palavra. A palavra troféis está errada. Sempre que nos quisermos referir ao plural de troféu, devemos utilizar a palavra troféus.

Exemplos:
No jogo de futebol eu ganhei um troféu.
O meu time ganhou quatro troféus.


Na língua portuguesa, os substantivos podem aparecer em dois números gramaticais:singular ou plural. O singular se refere a um indivíduo ou a um grupo de indivíduos. O plural se refere a dois ou mais indivíduos ou a dois ou mais grupos de indivíduos.

A principal regra de formação do plural das palavras é acrescentar a letra sno final da palavra: casa/casas, garoto/garotos, blusa/blusas, macaco/macacos,…


É com base nesta regra que é formado o plural de todas as palavras terminadas noditongo eu: troféu/troféus, céu/céus, chapéu/chapéus, seu/seus, ilhéu/ilhéus, véu/véus,…


É comum pensar que o plural de troféu se faz com éis por confusão com outra regra de formação do plural: nas palavras que terminam em al, el, ol e ul substituímos o l por is no plural, ficando ais, eis, ois, uis.


Exemplos: papel/papéis, cruel/cruéis, pastel/pastéis,…

http://virginiarocha.blogspot.com.br/2013/02/trofeus-ou-trofeis.html

CuRiOsIdAdEs da Língua PORTUGUESA... acredita?!






I. A maior palavra da língua portuguesa possui 46 letras e ganhou registro definitivo em 2001, quando apareceu no dicionário Houaiss. Estamos falando de:


pneumoultramicroscopicossilicovulcanoconiótico.


II. Não existe a expressão à medida em que . Ou se usa à medida quecorrespondente a à proporção que, ou se usa na medida em que equivalente a tendo em vista que.


III. O certo é a meu ver e não ao meu ver.


IV. À-toa, com hífen, é um adjetivo e significa “inútil”, “desprezível”. Ex: Esse rapaz é um sujeito à-toa . À toa, sem hífen, é uma locução adverbial e quer dizer “a esmo”, “inutilmente”. Ex: Andava à toa na vida.


V. Com a conjunção se, deve-se utilizar acaso, e nunca caso. O certo: “Se acaso vir meu amigo por aí, diga-lhe…“. Mas podemos dizer: “Caso o veja por aí… “.


VI. Não esqueça: alface é substantivo feminino. A alface está bem verdinha.


VII. O certo é alto-falante, e não auto-falante.


VIII. Depois de ditongo, geralmente se emprega x. Veja: afrouxar, encaixe, feixe, baixa, faixa, frouxo, rouxinol, trouxa, peixe, etc .


IX. Não existe preço barato ou preço caro. Só existe preço alto ou baixo. O produto, sim, é que pode ser caro ou barato.


X. A pronúncia certa é disenteria, e não desinteria.

http://virginiarocha.blogspot.com.br/2013/02/curiosidades-da-lingua-portuguesa.html

Pensamentos

"O amor só é lindo, quando encontramos alguém que nos transforme no melhor que podemos ser."







http://virginiarocha.blogspot.com.br/

poetizando...



http://virginiarocha.blogspot.com.br/2013/02/poetizando_17.html

Guimarães Rosa



http://virginiarocha.blogspot.com.br/2013/02/guimaraes-rosa.html

Variações linguísticas: O modo de falar do brasileiro


Toda língua possui variações linguísticas. Elas podem ser entendidas por meio de sua história no tempo (variação histórica) e no espaço (variação regional). As variações linguísticas podem ser compreendidas a partir de três diferentes fenômenos.


1) Em sociedades complexas convivem variedades linguísticas diferentes, usadas por diferentes grupos sociais, com diferentes acessos à educação formal; note que as diferenças tendem a ser maiores na língua falada que na língua escrita;


2) Pessoas de mesmo grupo social expressam-se com falas diferentes de acordo com as diferentes situações de uso, sejam situações formais, informais ou de outro tipo;


3) Há falares específicos para grupos específicos, como profissionais de uma mesma área (médicos, policiais, profissionais de informática, metalúrgicos, alfaiates, por exemplo), jovens, grupos marginalizados e outros. São as gírias e jargões.


Assim, além do português padrão, há outras variedades de usos da língua cujos traços mais comuns podem ser evidenciados abaixo.




Uso de “r” pelo “l” em final de sílaba e nos grupos consonantais: pranta/planta; broco/bloco.


Alternância de “lh” e “i”: muié/mulher; véio/velho.


Tendência a tornar paroxítonas as palavras proparoxítonas: arve/árvore; figo/fígado.


Tendência a tornar paroxítonas as palavras proparoxítonas: arve/árvore; figo/fígado. Redução dos ditongos: caxa/caixa; pexe/peixe.


Simplificação da concordância: as menina/as meninas.


Ausência de concordância verbal quando o sujeito vem depois do verbo: “Chegou” duas moças.


Uso do pronome pessoal tônico em função de objeto (e não só de sujeito): Nós pegamos “ele” na hora.


Assimilação do “ndo” em “no”( falano/falando) ou do “mb” em “m” (tamém/também).


Desnasalização das vogais postônicas: home/homem.


Desnasalização das vogais postônicas: home/homem. Redução do “e” ou “o” átonos: ovu/ovo; bebi/bebe.


Redução do “r” do infinitivo ou de substantivos em “or”: amá/amar; amô/amor.


Simplificação da conjugação verbal: eu amo, você ama, nós ama, eles ama.

http://virginiarocha.blogspot.com.br/2013/02/variacoes-linguisticas-o-modo-de-falar.html

Língua Oral e Língua Escrita



Cada uma com suas propriedades, a Língua Oral e a Língua Escrita se completam. Os falantes não escrevem exatamente como falam, pois a fala apresenta como características uma maior liberdade no discurso, pois não necessita ser planejada; pode ser redundante; enfática; usando timbre, entonação e pausas de acordo com a retórica – estas características são representadas na língua escrita por meio de pontuações.


Necessita-se de contato direto com o falante para que haja linguagem oral, sendo a mesma espontânea e estando em constante renovação. Assim, como o falante não planeja, em seu discurso pode haver uma transgressão à norma culta.


A escrita, por vez, mantém contato indireto entre escritor e leitor. Sendo mais objetiva, necessita de grande atenção e obediência às normas gramaticais, assim caracteriza-se por frases completas, bem elaboradas e revisadas, explícitas, vocabulário distinto e variado, clareza no diálogo e uso de sinônimos. Devido a estes traços esta é uma linguagem conservadora aos padrões estabelecidos pelas regras gramaticais.


Ambas as linguagens apresentam características distintas que variam de acordo com o indivíduo que a utiliza, portanto considerando que as mesmas sofrem influência da cultura e do meio social, não se pode determinar que uma seja melhor que a outra, pois seria desconsiderar essas influências. No momento que cada indivíduo, com sua particularidade, consegue se comunicar a linguagem teve sua função exercida.

http://virginiarocha.blogspot.com.br/2013/02/lingua-oral-e-lingua-escrita.html