1

1

Google+ Followers

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

Caixa sobe taxas de financiamento da casa própria a partir do dia 19/01/2015



A Caixa Econômica Federal anunciou nesta quinta-feira (15) uma alta nas taxas de financiamento da casa própria para operações contratadas com recursos da poupança (SBPE).


Segundo a assessoria de imprensa, imóveis financiados usando recursos do FGTS ou pelo programa Minha Casa, Minha Vida não sofrerão alterações.


A nova taxa passa a valer a partir desta segunda-feira (19), e será aplicada somente aos imóveis financiados depois deste dia. A Caixa afirmou que está elevando as taxas por causa do aumento da taxa básica de juros, a Selic.


Sistema Financeiro da Habitação
O Sistema Financeiro Habitacional regula a maioria dos financiamentos imobiliários no Brasil, como os que são tomados com recursos da poupança e do FGTS.


Para se enquadrar neste sistema, o imóvel deve custar, no máximo, R$ 750 mil em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Distrito Federal. Nos outros Estados, o limite máximo do imóvel é de R$ 650 mil.


No SFH, a taxa balcão (padrão, para quem foi mantida em 9,15%; para quem já tem relacionamento com o banco, os juros subiram de 8,75% para 9%.


Para quem já tem relacionamento com o banco e recebe o salário por ele, a taxa subiu de 8,25% para 8,7%.


Para servidores que já têm relacionamento com o banco, a taxa subiu de 8,6% para 8,7%; para servidores com relacionamento e salário, os juros subiram de 8% para 8,5%.


Sistema de Financiamento Imobiliário
O Sistema Financeiro Imobiliário regula todas as transações que não se enquadram no SFH.


No SFI, a taxa balcão (para clientes sem relacionamento com o banco) subiu de 9,2% para 11%; para clientes com relacionamento, o juro passou de 9,1% para 10,7%.


Quem, além de ter conta no banco, receber salário por ele, vai passar a pagar 10,5% de juros no financiamento (ao invés dos 9% atuais).


Para servidores com relacionamento, a taxa sobe de 9% para 10,5%; e para servidores com relacionamento e salário, os juros vão de 8,8% para 10,2%.


Fonte: UOL

Liberdade de expressão não dá o direito de insultar o próximo, diz Papa


O Papa Francisco condenou nesta quinta-feira (15) os assassinatos realizados em nome de Deus, mas insistiu que a liberdade de expressão não dá o direito de "insultar" o próximo, em referência aos ataques realizados na semana passada na França, especialmente o contra o jornal "Charlie Hebdo", no qual 12 pessoas foram mortas.


Os comentários do Papa foram feitos a bordo do avião que o levava do Sri Lanka às Filipinas.


O ataque contra o "Charlie Hebdo" foi motivado pela publicação de charges do profeta Maomé, considerado sagrado pelos muçulmanos. A representação gráfica do profeta é proibida, e os muçulmanos consideraram ofensivos e uma provocação os desenhos de Maomé.


O pontífice disse que tanto a liberdade de expressão como a liberdade religiosa "são direitos humanos fundamentais". "Temos a obrigação de falar abertamente, de ter esta liberdade, mas sem ofender", continuou.


Sobre a liberdade religiosa, destacou que "cada um tem o direito de praticar sua religião, mas sem ofender" e considerou uma "aberração" matar em nome de Deus.


"Não se pode ofender, ou fazer guerra, ou assassinar em nome da própria religião ou em nome de Deus", afirmou.


O Papa lembrou que no passado houve guerras nas quais a religião desempenhou um papel determinante. "Também nós fomos pecadores, mas não se pode assassinar em nome de Deus", insistiu.


"Acho que os dois são direitos humanos fundamentais, tanto a liberdade religiosa, como a liberdade de expressão", completou.


"É verdade que não se pode reagir violentamente, mas se Gasbarri [ele se referiu a um de seus colaboradores junto com ele no avião], grande amigo, diz uma palavra feia da minha mãe, pode esperar um murro. É normal!", assegurou.


Francisco lamentou que haja "muita gente que fala mal de outras religiões ou das religiões (...), que transforma em um brinquedo as religiões dos demais".


Para o pontífice, estas pessoas "provocam" e foi quando estimou que "há um limite para a liberdade de expressão".


Fonte: G1

Conhecida como a 'Apple chinesa', Xiaomi chega ao país no 1º semestre.



Grande sensação do mercado de smartphones, a Xiaomi, conhecida como a "Apple chinesa", chega ao Brasil ainda no primeiro semestre.

A confirmação foi feita nesta quinta (15) pelo brasileiro Hugo Barra, vice-presidente global da empresa, no evento de lançamento do novo celular da Xiaomi, o Mi Note.


Fundada há menos de cinco anos, a empresa tornou-se em 2014 líder de vendas no mercado chinês, o maior do mundo, e terceira no mundo, só atrás de Samsung e Apple.


Segundo Barra, a companhia vendeu 61,1 milhões de aparelhos em 2014, alta de 227% ante os 18,7 milhões vendidos no ano anterior.


Combinando praticidade, design atraente e principalmente preços bem inferiores aos dos principais concorrentes, a Xiaomi caiu no gosto da China, onde tem vários fã-clubes. Em 2014, deu início a sua expansão internacional. Os primeiros alvos foram países vizinhos da China, como Índia, Indonésia e Cingapura.


Uma das marcas da Xiaomi é que seus produtos só podem ser comprados on-line. Na China, o sucesso é tamanho que os aparelhos se esgotam em minutos quando as vendas são abertas.


Inaugurado em agosto em São Paulo, o escritório da empresa no Brasil tem dez pessoas. Entre os preparativos para o desembarque da marca no país está o estabelecimento de parcerias com empresas locais para serviços como atendimento ao consumidor e assistência técnica.


Delírio
No lançamento desta quinta, como de hábito, a Xiaomi organizou um grande evento sob o comando de seu presidente-executivo, Lei Jun. Cada vez mais à vontade no papel de mestre de cerimônias, Lei, o "Steve Jobs chinês", apresentou o novo aparelho da Xiaomi como a resposta da empresa ao iPhone 6 Plus. "O Mi Note é menor, mais fino e mais leve que o iPhone", disse, em auditório lotado.


A cada demonstração, ilustrada por vídeos exibidos num telão, a platéia de "Mi fãs", como são conhecidos os usuários da Xiaomi na China, ia ao delírio. Principalmente quando apareceu em gran- des números o preço do novo aparelho: 2.299 yuans (US$ 371) pelo modelo de 16 gigabytes, menos de metade do iPhone 6 Plus no país.


Lei Jun desta vez deixou de lado a camisa preta que costumava usar em apresentações e que reforçou a comparação com Jobs. De jeans e camisa social azul clara, explicou em detalhes o funcionamento dos aparelhos, contou piadas, tirou selfies e previu que a empresa se tornará a maior do mundo em smartphones em cinco a dez anos.


Ele também defendeu-se das críticas de que a empresa copia tecnologias das concorrentes. "A Xiaomi é uma empresa de inovação com uma curta história", disse. "Em dez anos teremos dezenas de milhares de patentes."


No fim do ano passado, em sua rodada mais recente de captação de recursos, a Xiaomi levantou mais de US$ 1 bilhão, elevando seu valor para US$ 45 bilhões. Assim, tornou-se a start-up mais valiosa do mundo.


Fonte: Folha.com

Transferência bancária a partir de R$ 500 vai cair na conta no mesmo dia. Os clientes de bancos poderão fazer transferências de dinheiro entre bancos diferentes mais rapidamente a partir desta sexta-feira (16).



Os clientes de bancos poderão fazer transferências de dinheiro entre bancos diferentes mais rapidamente a partir desta sexta-feira (16). Depósitos a partir de R$ 500 serão transferidos no mesmo dia.


Esse limite já tinha sido reduzido de R$ 5.000 para R$ 3.000 em 2010, depois para R$ 2.000, depois para R$ 1.000 e, por último, para R$ 750, em julho do ano passado.


Isso será possível porque a Febraban (Federação Brasileira de Bancos) reduziu o valor mínimo para a Transferência Eletrônica Disponível (TED) de R$ 750 para R$ 500.


A TED é mais rápida e faz com que o crédito entre na conta do destinatário no mesmo dia em que a transferência é solicitada. Em outras formas de movimentação financeira, como o DOC (Documento de Crédito), é preciso aguardar pelo menos um dia para a conclusão da operação.


Segundo a Febraban, os bancos estabelecem um valor mínimo para esse tipo de transferência para evitar que a TED gere uma demanda em excesso e sobrecarregue os sistemas de pagamento e de compensação das transações financeiras.


Para transferências interbancárias abaixo de R$ 500, os clientes podem recorrer aos Docs.


A Febraban informou ainda que as tarifas cobradas para a realização de TED variam de banco para banco, conforme a política comercial de cada um. Os preços das tarifas podem ser consultados no Sistema de Divulgação de Tarifas de Serviços Financeiros da Febraban.


Fonte: UOL

ATIVIDADES 4° ANO ENS. FUNDAMENTAL - VI


.









http://www.desenhoseatividades.com/2011/11/atividades-4-ano-ens-fundamental-i.html

ATIVIDADES 4° ANO ENS. FUNDAMENTAL - V



.










http://www.desenhoseatividades.com/2011/11/atividades-4-ano-ens-fundamental-ii.html

ATIVIDADES 4° ANO ENS. FUNDAMENTAL - IV



.










http://www.desenhoseatividades.com/2011/11/atividades-4-ano-ens-fundamental-iii.html

ATIVIDADES 4° ANO ENS. FUNDAMENTAL - III



.










http://www.desenhoseatividades.com/2011/11/atividades-4-ano-ens-fundamental-iv.html

ATIVIDADES 4° ANO ENS. FUNDAMENTAL - II



.










http://www.desenhoseatividades.com/2011/11/atividades-4-ano-ens-fundamental-v.html