1

1

Google+ Followers

sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

PEIXE: Artista usa calotas de roda para fazer belas esculturas de animais.

Artista usa calotas de roda para fazer belas esculturas de animais.
Há muito material sendo desperdiçado no mundo moderno, mas a maioria pode ser reutilizado e transformado em objetos úteis ou até mesmo em arte.
É o que faz Ptolemy Elrington, artista que usa calotas de rodas velhas, jogadas no lixo, para criar belas esculturas de animais.
Ele passou os últimos 12 anos de sua vida reciclando-as em elegantes obras inspiradoras.
http://www.hubcapcreatures.com/7-buy-work

Lady Samurai - Artista usa calotas de roda para fazer belas esculturas de animais.

Artista usa calotas de roda para fazer belas esculturas de animais.
Há muito material sendo desperdiçado no mundo moderno, mas a maioria pode ser reutilizado e transformado em objetos úteis ou até mesmo em arte.
É o que faz Ptolemy Elrington, artista que usa calotas de rodas velhas, jogadas no lixo, para criar belas esculturas de animais.
Ele passou os últimos 12 anos de sua vida reciclando-as em elegantes obras inspiradoras.

http://www.hubcapcreatures.com/7-buy-work

Artista usa calotas de roda para fazer belas esculturas de animais.

Artista usa calotas de roda para fazer belas esculturas de animais.
Há muito material sendo desperdiçado no mundo moderno, mas a maioria pode ser reutilizado e transformado em objetos úteis ou até mesmo em arte.
É o que faz Ptolemy Elrington, artista que usa calotas de rodas velhas, jogadas no lixo, para criar belas esculturas de animais.
Ele passou os últimos 12 anos de sua vida reciclando-as em elegantes obras inspiradoras.



Para algo que é feito de lixo encontrado na beira de estradas, suas peças certamente são lucrativas. As esculturas podem sair de £ 200 a £ 10.000, cerca de R$ 855 a R$ 42.760, no câmbio atual. [BoredPanda]





















http://hypescience.com/artista-transforma-calotas-de-roda-velhas-em-esculturas-de-animais-impressionantes/

JAQUETAS - VESTIMENTA MASCULINA!


JAQUETAS - VESTIMENTA MASCULINA!

Ainda estamos em uma estação que propicia o uso de jaquetas, já que elas ficam mais elegantes quando são usadas abertas.
Na primavera as jaquetas jeans são ótimas, pois esse tecido não esquenta muito e protege o suficiente.
As jaquetas de couro também podem ser usadas como acessório porque, assim como as jeans, elas não funcionam como um bom isolante térmico e nos dias de frio forte pedem um casaco de fio, ou de lã por baixo.
Ao escolher uma jaqueta não tenha pressa em sair logo do provador da loja. Olhe todos os detalhes, pois algumas deixam os braços muito finos e outras criam uma falsa barriga. Assim como os blazers, na parte dos ombros as jaquetas devem ser bem alinhados e a costura não deve passar da curva dos braços.
Outro detalhe, pense nas suas calças, ou bermudas, ao escolher uma jaqueta. Já que elas podem ser encontradas em cores, tecidos e modelos diversos, opte por aquela que te dê pelo menos duas opções de combinações para não parecer que você sai uniformizado pela falta de ter outra peça com a qual possa combiná-la.





http://roupaparahomem.blogspot.com.br/2014/10/jaquetas.html

A IMPORTÂNCIA DE UM CINTO.


Cinto é um grande acessório de homens estilosos, aliás, eles servem basicamente para compor o visual e não mais para segurar as calças. Então, deixe-o a mostra.
Vale a pena investir em um cinto por dois motivos: ele é uma peça muito versátil e, entre os acessórios é, geralmente, o mais barato além de ter uma vida útil bastante longa.
No entanto, os entendidos de moda conseguem identificar o status social e até quanto o cara tem no banco através do cinto que ele usa, pois algumas marcas atingem um valor bem alto.
Por isso, avalie se vale a pena sempre levar duas camisetas para casa ou uma camiseta e dois cintos.
Na hora da escola lembre-se que ele divide o seu corpo em dois, então você tem que ter bem claro qual é o seu estilo para que ele agregue valor ao seu visual.
Se você precisa usar traje social, o cinto deve combinar com sapato, a fivela não pode ser grande (geralmente é prata) e ele deve estar encaixado no terceiro furo (sim, há regras desnecessárias até para isso). Os cintos mais utilizados são os de couro ou de materiais que o imitam.
Agora, se você é adepto do street wear, aí a coisa é mais divertida. A regra é… foda-se a regra. Seja criativo e use o cinto para dar um up no seu visual.
Você pode, se for mais discreto, usar a peça para acompanhar a linhagem do seu look, fazendo o uso de tons parecidos.
Se você for mais ousado, a dica é usá-lo com um “fator de quebra” da linearidade do look. Para isso, você não precisa apostar apenas na cor, invista em materiais diferentes também.



(http://suspensoriomasculino.wordpress.com/2013/04/03/cintos-masculinos-estilosos-como-usar/)

ETIQUETA - MASCULINA.


ETIQUETA - MASCULINA.

Uma vez ouvi de um amigo que uma pessoa se revela totalmente quando a questão é dinheiro, sexo e comida.
E, sim, eu tenho constatado que é verdade. Pessoas que se vestem elegantíssimas cometem gafes grosseiras nos momentos mais básicos e por isso listei algumas dicas de como se portar à mesa. Depois quem sabe, entraremos no assunto dinheiro e sexo. Hehe.
Então vamos lá.

As suas mãos devem estar limpas na hora de pegar os talheres e o copo, ou a taça, durante a refeição, fique atento às suas unhas.
Manter a beirada do prato sempre limpa.
A ordem para usar os talheres é sempre de fora para dentro, os de sobremesa ficam acima dos pratos.
Abra o guardanapo de pano no colo e use-o para limpar a boca e os dedos. Após a refeição coloque-o sobre a mesa, do lado esquerdo do prato.
Não use os seus talheres para se servir de alimentos em travessas, bandejas, potes, etc.
Use o garfo na mão direita, enquanto a faca descansa sobre a parte superior do prato com a lâmina voltada para dentro.
Quando terminar de comer arrume os talheres no prato, coloque o garfo e a faca com os cabos voltados para a direita. Antes disso os talheres permanecem no prato, tudo o que vai para o prato não volta a encostar na mesa!

Agora vamos para algumas dicas de como agir na hora da refeição!
Seja delicado, fale baixo e não mantenha os talheres na mão. Eles sempre devem descansar dentro do prato, apoiados nas bordas.
Não coloque os cotovelos na mesa, mantenha os braços baixos, no colo.
Nunca fume à mesa, se realmente precisar de um cigarro peça licença e fume fora do ambiente.
Não fale de boca cheia, nem faça barulho ao mastigar os alimentos.
Nada de abaixar em direção ao prato, a comida que deve ser levada à boca e não o contrário.
Está morrendo de fome? Nada de começar a comer antes de todos, principalmente se for convidado a comer na casa de alguém. Se for na presença de um anfitrião não coma antes dele, a não ser que ele peça. Se houver mais pessoas espere até que metade delas tenha se servido.
Dispense o palitinho, nem cutucar escondido com um guardanapo vale. Se algo está incomodando peça licença e vá ao banheiro.
Antes de beber qualquer coisa, engula o que tiver na boca e limpe os lábios com o guardanapo. Depois de beber, enxugue os lábios.
Se depois de algumas garfadas você estiver convencido de que o prato que lhe serviram não é do seu gosto ou já estiver satisfeito, cruze os talheres e não continue comendo.
No caso de um self-service nada de colocar tudo o que quiser no prato, fazendo uma mistura. Você pode repetir se quiser e deve seguir a ordem de entrada, prato principal e sobremesa.
Não passe alimentos do seu prato para o de outra pessoa, nem bebidas de um copo para outro.
Fuja das discussões, esqueça assuntos polêmicos, como religião e política.
Não corte as folhas da salada, dobre em vez de cortá-las.
Se quiser algo que está sobre a mesa, mas fora do seu alcance, peça-o a quem está mais perto. Nunca passe o seu braço na frente dos outros para pegar alguma coisa.

Parece muito, mas são apenas algumas dicas básicas para ajudar na sua postura e na sua imagem pessoal.

(http://www.homemnamoda.com.br/regras-e-dicas-basicas-de-etiqueta-a-mesa/)

COMPORTAMENTO MASCULINO: PORQUE ANDAR BEM VESTIDO?



Sou adepto da praticidade e defendo o direito de cada pessoa preservar a sua personalidade, mesmo que a profissão ou apenas um momento específico lhe obrigue a vestir um uniforme. Aliás, sou adepto da nudez em todas as situações que me permitem ser quem eu realmente sou. Mas entendo o quão importante é estar bem vestido e o quanto a imagem reflete nas relações.
A importância de se vestir bem vai além da questão profissional, a aparência conta muito. e o modo de se vestir reflete uma boa ou má apresentação pessoal. O visual serve como um cartão de visita e pode influenciar nas vendas, negociações, entrevistas, treinamentos, apresentações de produtos da empresa, entre outras situações. 
Pequenos detalhes podem valorizar ou atrapalhar, por isso é fundamental escolher uma roupa adequada para não passar uma imagem inacabada ou relaxada. Ter um visual desleixado pode acarretar muitos danos, principalmente para a carreira profissional. 
Lembra das eleições para presidente quando o Lula se apresentava desleixado? Pois é, ele perdeu. Mas a partir do momento que alinhou os dentes, aparou a barba e vestiu terno e gravata tudo mudou. Sua sucessora também passou por uma reformulação no visual e a Marina, coitadinha, não teve chance.
Agora a própria Marina está diferente. Disse adeus àquelas blusinhas simples e tem aparecido maquiada e com modelos mais elaborados.
Provado está que o figurino é muitas vezes determinante na hora de uma promoção. 
É possível se vestir bem sem gastar muito dinheiro. Existem lojas de roupas e calçados com um preço acessível para todos.
Escolhas peças chaves. Na hora de comprar opte por peças que possam combinar com as que você já tem no guarda-roupas e então, com poucas opções poderá fazer várias combinações.


http://roupaparahomem.blogspot.com.br/2014/09/porque-andar-bem-vestido.html

MASCULINO: COMO DOBRAR MANGA DE CAMISA.



As camisas de mangas longas são mais elegantes, mas nos dias de calor não são muito confortáveis. Para esse caso existem algumas formas de dobrar a manga e manter o visual arrumado.
Camisas de mangas longas, dobradas, são mais elegantes do que camisas de mangas curtas.

A primeira forma de dobrar a manga consiste em simplesmente enrolá-la, fazendo dobras sobrepostas de aproximadamente 5cm.


A segunda forma de dobrar deixa o visual mais bonito, marcante. Consiste em puxar boa parte da manga para cima e depois enrolá-la deixando a mostra a barra.


http://roupaparahomem.blogspot.com.br/2014/09/como-dobrar-manga-de-camisa.html

ANÉIS - TAMBÉM ESTILO MASCULINO.


ANÉIS - TAMBÉM ESTILO MASCULINO.

Poucos são os rapazes que aderem ao uso de anéis, e assim como aspulseiras precisa ter bom senso na hora de colocá-los. Como os modelos masculinos costumam ser mais robustos, em certas ocasiões é melhor deixá-los na gaveta.
O estilo que melhor de adequa ao uso desse acessório é odramático. Se você não se enquadra nesse perfil use com moderação. Nos eventos casuais, como passeios, baladas e prática de alguma atividade que não ofereça risco à integridade física, tá liberado, já nas reuniões não. Aliás, em qualquer ambiente e momento em que você precise da atenção de outrem para expor o seu trabalho, evite os anéis, ou o seu interlocutor lembrará apenas do que havia em seus dedos.
Lembre-se que o menos é mais. Se colocar mais de um anel nos dedos amenize os outros acessórios. Se quiser usar todos (corrente,pulseira, relógio, óculos), escolha os mais discretos.





http://roupaparahomem.blogspot.com.br/2014/11/aneis.html

12 motivos pelos quais os robôs vão dominar o mundo

12 motivos pelos quais os robôs vão dominar o mundo


Nós, seres humanos, podemos ser bastante frágeis e imperfeitos, uma percepção que é muito mais desanimadora quando consideramos o potencial incrível dos robôs. Listamos abaixo 12 motivos pelos quais eles ganham fácil, fácil deste grande grupo de carne que nós somos, mas, antes de começarmos, é importante ressaltar que foi adotada uma abordagem normativa para esta análise.

Por uma questão de simplicidade, foi assumida uma espécie de status quo entre os seres humanos, em que os nossos descendentes futuros tenham optado por fugir das tecnologias de aprimoramento. Claramente, se nós tomarmos o caminho transumano para o futuro, nossas mentes e corpos aprimorados tecnologicamente corresponderiam melhor aos de robôs. É possível até que nos integremos com eles.


Dito isso, nós ainda não sabemos o quão seguras, eficazes e acessíveis as tecnologias de aprimoramento humano serão – além de também não sabermos se elas serão socialmente sancionadas.

O desenvolvimento de tecnologias robóticas, por outro lado, não apresenta sinais de declínio. Caso nós, humanos, permaneçamos os mesmos, é bem possível que eles nos dominem de acordo com os exemplos listados abaixo.
12. Produção em massa e autorreplicação


É mais fácil construir robôs do que fazer seres humanos. Atualmente, os robôs têm que ser concebidos e construídos por nós, mas isto está prestes a mudar com a introdução de sistemas totalmente automatizados, capazes de fabricar outros robôs na linha de montagem. Embora ainda em seus estágios primitivos, os pesquisadores do Laboratório de Robótica Modular da Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos, já desenvolveram um robô que pode construir outros robôs com espuma de spray.


Robôs do futuro também serão capazes de se reproduzir, coisa que o matemático John von Neumann se referia como máquinas de autorreplicação cinemática. Pesquisadores da Universidade de Oslo, na Noruega, já desenvolveram robôs com três membros que podem produzir suas próprias peças e se adaptar a novos ambientes. Já Matt Denton, da empresa Robosavvy, desenvolveu um robô hexápodo equipado com uma ferramenta de corte que lhe permite formar várias peças de máquinas – incluindo, concebivelmente, suas próprias peças. Tendo em conta que estes são desenvolvimentos iniciais, e dado o tempo que leva para produzir e criar um ser humano (para não mencionar os custos), é razoável supor que poderia, eventualmente, chegar a um ponto em que os robôs nos superariam.
11. Transferência de mentes de um robô para outro

Robôs serão capazes de mudar seus corpos à vontade. É uma vantagem que os seres humanos simplesmente não possuem (deixando de lado tecnologias de upload de mente). Em um futuro distante, os robôs serão capazes de transferir, ou fazer upload, de suas mentes digitais de um robô para outro. No caso de um destes corpos automatizados falhar, tornar-se obsoleto ou inadequado para uma determinada tarefa, haverá sempre um outro disponível.

E, como demonstrado pelos Cylons ficcionais de “Battlestar Galactica”, um robô poderia temporariamente fazer upload de sua mente para a nuvem, em caso de um desastre ou falha de sistemas massivos. As perspectivas de back-up, upload e download do espírito digital sugerem que os robôs serão capazes de sobreviver indefinidamente.
10. Inteligência avançada

Mentes digitais ou híbridas serão muito mais robustas e especializadas do que as dos seres humanos.

Nossos conjuntos intrínsecos de habilidades cognitivas foram forjados – e restringidos – pelas exigências da evolução, mas um cérebro robótico poderia ser projetado para se sobressair em qualquer número de tarefas arbitrárias. Robôs poderão calcular melhor e mais rápido do que os humanos, terão habilidades superiores de reconhecimento de padrões, extensões de atenção ilimitadas e memória infalível.
9. Atualização mais simples

Robôs também terão melhorado o acesso aos seus estados físicos e cognitivos internos. Vai ser fácil para nós atualizarmos os robôs, mas eventualmente eles conseguirão fazer isso por si próprios.

O futurista David Orban, membro conselheiro e do corpo docente da Singularity University, nos EUA, disse que os robôs terão um acesso muito mais profundo do seu estado físico e dos seus processos de pensamento.

“A partir do momento em que se formou a primeiro civilização agrícola, nós, seres humanos, levamos 10 mil anos antes de sermos capazes de começar a entender nossa composição biofísica, psicológica e cognitiva”, diz, explicando que ainda estamos começando a entender nossos processos cognitivos e a programação da nossa mente. “Mas os robôs vão ter uma enorme vantagem sobre nós. Abordagens de código aberto vão ser aplicadas a sua constituição física e programação, o que nos permite acelerar o seu design. Mas essas mesmas ferramentas também estarão disponível para eles. Em vez da luta de 10 mil anos enfrentada pela humanidade, os robôs serão capazes de adquirir conhecimento quase instantâneo de seu desenvolvimento físico e cognitivo”.


Consequentemente, as máquinas vão melhorar mais rápido do que os seres humanos e se adaptar mais rapidamente a novos ambientes e desafios.
8. A ausência de predisposições psicológicas evolutivas

Ao contrário de nós, os robôs não vão ser atrasados pelo legado dos “sistemas operacionais” cognitivos de répteis e mamíferos e os vários problemas associados a eles.

A menos que sejam explicitamente programados para isso, os robôs não vão ficar agitados ou entediados, ou passar por mudanças repentinas de clareza mental e humor. Eles não vão ficar emocionalmente abalados ou ter tendência a vícios. E talvez o mais fundamental: eles não vão experimentar angústia mental ou dor física.
7. Necessidades energéticas drasticamente reduzidas

Os robôs provavelmente exigirão menos do meio ambiente do que os seres humanos e precisarão de menos recursos para funcionar. Isto irá permitir que se tornem muito mais produtivos e rentáveis que os humanos.

O futurista James Miller, autor do livro “Singularity rising” (“Ascenção da singularidade”, em tradução livre), explica que o nosso processo de conversão de alimentos e oxigênio em enegia é ineficiente comparado ao que os robôs poderão fazer. “Se o salário de uma pessoa será capaz de comprar eletricidade suficiente para ‘alimentar’ dezenas de trabalhadores robôs inteligentes, quem irá nos contratar?”, questiona. “E uma vez que os robôs não precisam comer ou respirar, eles não terão que se preocupar em preservar o meio ambiente e assim poderão despejar seus resíduos industriais gastando muito menos”.
6. Potencial de superioridade moral

Os robôs também poderiam ser programados para ser moralmente infalíveis, ou pelo menos para serem tão morais quanto possível – dadas as complexidades da tomada de decisão moral. Ao contrário dos humanos, os robôs imbuídos de um código moral pró-social poderiam exercer extrema consistência e previsibilidade.

J. Storrs Hall, autor de “Beyond AI: Creating the Conscience of the Machine” (“Além da inteligência artificial: criando a consciência da máquina”, em tradução livre), explica que pessoas que estudaram a moralidade humana no contexto da ética da máquina, apontam que os humanos são praticamente inúteis quando a ética está envolvida.

“Nós sempre iremos mentir, enganar, roubar e atirar primeiro. Por que isso faz dos robôs melhores? Porque eles podem confiar uns nos outros e nós não podemos. Porque robôs iriam cooperar e os seres humanos iriam discutir, brigar e apunhalar uns aos outros pelas costas. Porque robôs seriam moralmente melhores do que nós”, afirma.

Curiosamente, os robôs podem provar sua fidelidade para os seres humanos nos mostrando seus estados mentais. De acordo com Miller, eles poderiam fazer promessas credíveis simplesmente revelando o seu código fonte para nós.

Tudo isso sendo dito, Patrick Lin lembra a possibilidade de que os robôs possam ser programados com nenhuma ética que os limite.
5. Imunidade a funções biológicas prejudiciais e onerosas

Ao contrário dos humanos, os robôs não serão afetados pelo envelhecimento, ou pelo menos não da mesma maneira que nós somos. Eles nunca terão que se preocupar em comer e poderão entrar em um modo de hibernação durante longos períodos de tempo, se necessário.

Eles não vão ficar doentes, com fome, com sede, de ressaca ou terão que fazer frequentes pit-stops no banheiro. E, com sua imunidade a doenças, vírus e toxicidade, os robôs serão ideais para missões de resgate em áreas contaminadas.
4. Telepatia tecnologicamente ativada

Os robôs também poderão ter uma comunicação perfeita de mente para mente, seja utilizando algum tipo de protocolo sem fio, a web ou a sua própria Internet colaborativa. Eles terão a capacidade de se conectar, trabalhar e colaborar uns com os outros ao longo de uma infosfera superinteligente – ou máquina de ecologia – que ultrapassa de longe as capacidades humanas.


De um modo semelhante, as máquinas também serão capazes de se auto-organizar e colaborar em configurações semelhantes a de enxames de abelhas.

No início deste ano, por exemplo, pesquisadores da Universidade de Harvard (EUA) criaram o primeiro enxame de mil robôs. Ao dirigir comandos para bots individuais com uma luz infravermelha, os pesquisadores conseguiram que robôs minúsculos se organizassem autonomamente em várias formas, como uma estrela de cinco pontas ou a letra K. No futuro, a capacidade de colaborar e criar algo maior do que a soma de suas partes vai realmente distinguir robôs dos humanos.
3. Morfologias dinâmicas

Os seres humanos vêm basicamente em uma configuração física padrão. O mesmo não pode ser dito para os robôs, que podem ser construídos em qualquer tamanho – desde nanoescala microscópica indo até a miríade de formas e tamanhos limitados apenas pelas leis da física.

Eles também vão ser feitos de materiais avançados que lhes permitem mudar suas formas de maneira dramática. Hoje, os robôs já assumem muitas formas físicas, incluindo alguns que se assemelham a aranhas, aves, cães, leopardos, cobras e até mesmo bolas.
2. Exploradores espaciais superiores

Em um artigo na “Pegasus”, revista da Universidade Central da Flórida, nos EUA, o astrônomo Daniel Britt argumenta que o espaço é difícil para seres humanos, e que os robôs são a chave para a futura exploração espacial, já que nós somos “pesados, frágeis, sujos, vulneráveis, exigentes com o ambiente e temos uma baixa tolerância para o ambiente espacial (ou seja, a radiação de alta energia, calor e frio extremos etc)”.

Isso somado às despesas de manter a vida humana e a nossa tendência em não arriscá-la exigem grandes quantidades de dinheiro e imensas equipes de apoio para monitorar todos os aspectos da vida diária durante uma missão espacial tripulada.

“No fundo, não há escolha real entre exploração humana e robótica do espaço, no entanto. Ambos são sinérgicos e mutuamente dependentes”, pondera Britt. “A exploração robótica é necessária para permitir a exploração humana, definindo o contexto, fornecendo informações críticas e reduzindo o risco para os seres humanos”.

No ritmo que as coisas estão, os robôs devem herdar o cosmos. Isto é, a menos que nós projetemos nossa nave espacial para acomodar o corpo humano, incluindo o advento de tais coisas como escudos de radiação, gravidade artificial e biosferas funcionais e sustentáveis. Ou, ainda, recorramos à engenharia para produzir astronautas humanos com tecnologias genéticas, cibernéticas e nano.
1. Dispensabilidade

Segundo a maioria dos padrões éticos e morais, a vida de um ser humano é de valor infinito. O mesmo deve ser dito sobre uma máquina consciente ou um robô imbuído de todas as características funcionais de uma pessoa.

Mas um robô, sem um mínimo de autoconsciência – quer se trate de um robô construído para desarmar bombas ou um android altamente avançado – simplesmente não garante tal designação, e como tal pode ser considerado dispensável. Além de seu status como propriedade de alguém, um robô sem uma mente tem tanto prestígio moral quanto uma pedra (ou, para não forçarmos tanto a barra, quanto o seu computador). Consequentemente, os robôs descerebrados poderiam ser usados (e já estão sendo) para sacrificarem-se. Isto é bom em situações como missões de resgate perigosas, mas é também bastante assustador quando consideramos o potencial desta característica no campo de batalha. [io9]

http://hypescience.com/12-razoes-pelas-quais-os-robos-sempre-terao-uma-vantagem-sobre-os-humanos/